sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Mais de 300.000 migrantes atravessaram o Mediterrâneo em 2016

Mais de 300.000 migrantes atravessaram o Mediterrâneo para chegar à Europa em 2016, contra 520.000 nos primeiros nove meses de 2015, informou esta terça-feira o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR).

"O número de refugiados e migrantes que chegaram às costas europeias ultrapassou a barreira dos 300.000", disse um porta-voz do ACNUR, William Spindler, numa conferência de imprensa em Genebra.

Apesar de menos pessoas tentarem atravessar o perigoso mar, o número de mortes aumentou e 2016 deverá ser "o ano mais mortífero de que há registo no Mar Mediterrâneo", disse.

Desde o início de 2016, 3.211 migrantes morreram ou desapareceram no Mediterrâneo, apenas menos 15% que o número total de mortes registado em todo o ano de 2015 (3.771), segundo um comunicado daquela agência.

Os padrões de chegadas à Grécia e Itália, que recebem a grande maioria dos migrantes, também se alteraram em 2016.

As chegadas a Itália em 2016, 130.411, são comparáveis às do mesmo período de 2015, 132.000, mas a Grécia registou uma quebra de 57%, sobretudo após o acordo de março entre a União Europeia (UE) e a Turquia.

Quase metade (48%) dos migrantes que chegaram em 2016 à Grécia eram sírios, um quarto (25%) afegãos e os restantes iraquianos (15%), paquistaneses (4%) e iranianos (3%), segundo o ACNUR.

A Itália chegaram sobretudo migrantes da Nigéria (20%), Eritreia (12%), Gâmbia (7%), Guiné-Conacri (7%), Sudão (7%) e Costa do Marfim (7%).

Relativamente ao plano de recolocação de migrantes, adotado em setembro de 2015 para distribuir 160.000 refugiados chegados à Grécia e Itália pelos restantes Estados-membros da UE, apenas 5.000 pessoas foram recolocadas, lamentou o ACNUR.

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20