sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Países nórdicos apelam à tomada de medidas contra a Hungria

Os governos das nações nórdicas apelaram esta quarta-feira à União Europeia para que "tome medidas" contra a Hungria devido à relutância deste país em receber candidatos a asilo registados.

Em carta datada de 09 de setembro, consultada pela agência noticiosa AFP, Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia, expressaram a sua "grande preocupação" com a recusa do Governo de Budapeste em agir segundo as designadas regras de Dublin, sob as quais os refugiados devem solicitar asilo no primeiro país da UE em que entrem.

Durante vários meses, a Hungria exprimiu, através do seu primeiro-ministro de direita e feroz crítico de Bruxelas, Viktor Orban, a sua oposição a receber de volta qualquer refugiado que tenha entrado na UE através da Hungria e sido então registado.

A carta conjunta, assinada por ministros dos cinco países nórdicos, cita uma declaração enviada por Budapeste para os seus parceiros na UE, em maio, onde se insiste que a Hungria "não pode aceitar quaisquer transferências" ao abrigo de Dublin.

Os ministros nórdicos concordam que esta posição constitui "uma violação da lei da UE o que não é aceitável" e apelaram ao comissário com o pelouro das Migrações, Dimitris Avramopoulos, para "agir rapidamente".

No início deste mês, o ministro dos Negócios Estrangeiros do Luxemburgo, Jean Asselborn, disse que a Hungria deveria ser suspensa da União Europeia por violar valores democráticos essenciais e tratar os refugiados como "animais".

A Áustria também já ameaçou apresentar uma queixa contra a Hungria nos tribunais europeus.

Os húngaros também já irritaram os seus parceiros europeus ao distribuírem um mapa com cerca de 900 zonas na Europa com numerosas populações de imigrantes, incluindo Londres, paris e Berlim, onde desencorajam deslocações, as chamadas "no-go areas".

Em julho passado, Orban descreveu a chegada dos refugiados à Europa como "um veneno", adiantando que o seu país não queria nem precisava de "um único migrante".

O primeiro-ministro húngaro organizou um referendo, que vai decorrer em 02 de outubro, para procurar obter um voto contra a divisão obrigatória de migrantes entre os Estados membros da UE.

O executivo de Budapeste recusou receber um único migrante no quadro de um plano da UE para lidar com a atual crise. O referendo vai perguntar aos eleitores se concordam com a relocalização de refugiados imposta por Bruxelas sema aprovação dos parlamentos nacionais.

Lusa

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.