sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

PM húngaro defende expulsão de migrantes para uma ilha" ou "a costa norte de África"

© Reuters

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, defendeu esta quinta-feira que as pessoas que entram ilegalmente na Europa devem ser expulsas para campos fora da União Europeia, dando como exemplo "uma ilha" ou "a costa norte de África".

"Os que entram ilegalmente deviam ser reunidos e levados, não para outros países [da UE], mas para fora da União", disse Orban.

Os que fossem expulsos podiam apresentar pedidos de asilo em "grandes campos de refugiados", construídos, financiados e guardados pela UE fora do território europeu, precisou, sugerindo "uma ilha" ou a costa norte-africana como localizações potenciais.

"A segurança e financiamento desse território devem ser garantidos pela UE no seu próprio interesse", disse. acrescentando que os migrantes deveriam permanecer nesses campos até que um país aceitasse acolhê-los.

A ideia desenvolve a proposta que Orban fez em abril, a que chamou "Schengen 2.0", que passava por reforçar a defesa das fronteiras europeias e lidar com os refugiados fora do território europeu.

Viktor Orban, um dos mais fortes opositores à política migratória da UE, ordenou há um ano a construção de vedações de arame na fronteira sul da Hungria para manter os migrantes fora do seu país.

O primeiro-ministro conservador fez também aprovar legislação que criminaliza o atravessamento ilegal da fronteira e restringe os critérios para a concessão de asilo.

Em 2015, cerca de 400.000 migrantes atravessaram território húngaro a caminho da Europa ocidental, mas o número caiu significativamente depois do fecho da fronteira.

A expulsão de migrantes, defendeu Orban, é "a única solução que é boa para toda a gente": "Tanto para nós, que ainda não temos problemas, como para países como a Alemanha, que já têm problemas".

A Hungria prepara um referendo sobre o sistema de quotas aprovado pela UE para a distribuição de refugiados sírios e iraquianos pelos Estados-membros.

A Hungria não recebeu até ao momento qualquer refugiado ao abrigo desse sistema.

A consulta, que se realiza a 2 de outubro, questiona os eleitores sobre se estão de acordo que a UE ultrapasse os parlamentos nacionais em matéria de migrações.

As sondagens indicam que cerca de 70% dos eleitores apoiam a posição do governo -- o "não" -, mas que a participação pode ficar aquém dos mais de 50% necessários para que o resultado seja válido.

Lusa

  • "Não podemos deixar morrer a utopia"

    País

    O Presidente da República disse esta quarta-feira querer que os portugueses não deixem de perseguir a utopia na sociedade, na economia e na política, mas de forma plural, porque só assim se foge ao populismo antissistema.

  • Mulher assassinada pelo namorado em Faro

    Violência doméstica

    Uma mulher de 31 anos foi encontrada morta esta quarta-feira, em Faro. Ao que tudo indica, o homicida terá sido o namorado, que durante várias horas se barricou no quarto enquanto ameaçava atirar-se do sétimo andar. O casal tinha um historial de violência doméstica e o homem, de 37 anos, já tinha sido detido por violar a namorada.

  • Duas crianças e uma professora feridas em tiroteio numa escola dos EUA
  • E se Tom Hanks aparecesse no seu casamento?

    Mundo

    O casal norte-americano Elisabeth e Ryan queriam um casamento "à Hollywood". Para a tradicional sessão de fotos, escolheram o Central Park, em Nova Iorque, que tantas vezes já serviu de cenário a enlaces no grande écrã. Do que certamente Elisabeth e Ryan não estavam à espera é que um dos mais famosos atores de cinema - Tom Hanks - aparecesse acidentalmente no seu casamento e se juntasse aos noivos na sessão fotográfica.

  • Será o fim dos BlackBerry?

    Mundo

    A BlackBerry vai deixar de produzir hardware e passar a fabricar exclusivamente software. Não estão previstos novos telemóveis da marca, mas se vir por aí um novo fique a saber que não foi produzido pela empresa. O anúncio foi feito pelo CEO, John Chen, esta quarta-feira.

  • Digital Business Congress já está em Lisboa

    Economia

    O Digital Business Congress decorre até esta quinta-feira, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa. No encontro que debate o futuro das telecomunicações, participam os vários responsáveis pelo setor. Marcelo Rebelo de Sousa e o ministro da Cultura participaram esta quarta-feira no evento.