sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Mais de 160 mortos em naufrágio ao largo do Egito

Novos corpos foram esta sexta-feira recuperados ao largo do Egito, elevando para pelo menos 162 mortos o balanço no naufrágio de uma embarcação de pesca ocorrido há dois dias e que transportava centenas de migrantes.

Os sobreviventes afirmam que cerca de 450 pessoas se encontravam a a bordo do barco de pesca que partiu do Egito em direção a Itália, que naufragou quarta-feira no Mediterrâneo ao largo da cidade egípcia de Rosetta, norte do país.

"O balanço do naufrágio ao largo de Rosetta subiu para 162", indicou hoje em comunicado o ministério da Saúde egípcio.

As autoridades indicaram que as buscas se concentram agora no porão do barco, onde segundo testemunhas pelo menos se encontravam 100 pessoas no momento do naufrágio.

As operações de socorro permitiram resgatar 163 pessoas, precisou o exército egípcio.

A maioria dos sobreviventes são de nacionalidade egípcia, mas segundo a Organização Mundial para as Migrações (OIM) também se incluem sudaneses, eritreus, um sírio e um etíope.

De acordo com as autoridades egípcias foram detidos quatro egípcios, suspeitos de "tráfico de seres humanos" e "homicídio involuntário".

Os traficantes utilizam com frequência embarcações em muito mau estado que ficam sobrelotadas para obterem o máximo de dinheiro pago pelos migrantes, que desesperadamente procuram passagem para a Europa.

De acordo com a ONU, mais de 10.000 pessoas morreram desde 2014 quando tentavam atravessar o Mediterrâneo em direção à Europa.

"O Egito está a tornar-se num país de partida", tinha já referido em junho o diretor executivo da Frontex, Fabrice Leggeri, numa entrevista a jornais regionais alemães.

"Este ano, [até meados de setembro], 1.000 embarcações vindas Egito chegaram a Itália", disse.

De acordo com os dados mais recentes do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR), mais de 300.000 migrantes atravessaram o Mediterrâneo para chegar à Europa em 2016, contra 520.000 nos primeiros nove meses de 2015.

Lusa

  • Atirador canadiano mata combatente do Daesh a 3,5km de distância

    Mundo

    Um atirador das Forças Especiais do Canadá matou um combatente do Daesh com um tiro disparado a 3,5 quilómetros de distância, no passado mês de maio, no Iraque. O Comando de Operações Especiais canadiano garantiu à BBC que a distância do disparo, realizado com sucesso, é já considerada um recorde na história militar.

  • Revelada a verdadeira identidade de Banksy?

    Cultura

    O músico e produtor Goldie pode ter revelado a identidade do artista mais conhecido por Banksy, durante uma entrevista ao podcast do rapper Scroobius Pip. Goldie referiu Robert Del Naja de forma acidental e os fãs acreditam que a identidade do artista britânico foi finalmente desvendada.

  • "Mãe, por favor, para de dizer asneiras. Não quero que leves um tiro"
    0:51

    Mundo

    O Departamento de Investigação da Polícia do Minnesota divulgou esta sexta-feira um vídeo com imagens de um incidente que levou à morte de um afro-americano pela polícia, nos Estados Unidos da América. Em julho de 2016 um polícia atingiu mortalmente Philando Castile, de 32 anos, durante uma operação de controlo rodoviário. O homem procurava os documentos de identificação quando o polícia disparou quatro tiros. Nas imagens é possível ver o desespero da filha da companheira de Philiando Castile, minutos depois de ter visto o padrasto a morrer. O agente responsável pela morte de Castile foi absolvido pelo Tribunal na semana passada.

  • Depois da "provocação", o acidente em cadeia
    0:43

    Mundo

    Um vídeo de um acidente numa autoestrada em Santa Clarita, na Califórnia (EUA), está a tornar-se viral nas redes sociais. Nas imagens é possível ver um motociclista a dar um pontapé num carro que seguia à sua frente. Como forma de "retribuição", o carro vira na direção da mota mas bate no separador e depois numa carrinha que acabou por capotar. Segundo a imprensa norte-americana o condutor da carrinha foi levado para o hospital com ferimentos ligeiros. Já a pessoa que conduzia a mota seguiu o seu caminho.