sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Amnistia Internacional denuncia "tratamento terrível" de migrantes na Hungria

A Amnistia Internacional (AI) denunciou, num relatório divulgado esta segunda-feira, o "tratamento terrível" infligido pelas autoridades da Hungria a milhares de migrantes, incluindo crianças desacompanhadas, como uma "estratégia populista deliberada".

"Esperança encalhada: o ataque sustentado da Hungria aos direitos de refugiados e migrantes" é o título do documento, divulgado a cinco dias do referendo promovido pelo governo conservador de Viktor Orban sobre o sistema europeu de quotas para o acolhimento de migrantes.

"Milhares de candidatos a asilo sofrem abusos violentos, são repelidos ilicitamente e detidos ilegalmente pelas autoridades da Hungria e por um sistema flagrantemente delineado para os travar", afirma a organização internacional de defesa dos direitos humanos.

Segundo o documento, centenas de candidatos a asilo esperam meses por uma resposta, em "condições degradantes", muitos outros são empurrados para território sérvio e vários foram detidos ilegalmente por longos períodos.

"O primeiro-ministro Orban substituiu o primado da lei pelo primado do medo. As suas tentativas para impedir deliberadamente refugiados e migrantes de chegar à Hungria têm sido acompanhadas por um padrão ainda mais perturbador de ataques contra eles e contra as salvaguardas internacionais criadas para os proteger", disse o diretor da AI para a Europa, John Dalhuisen.

"O tratamento chocante e os procedimentos labirínticos para [a concessão de] asilo são um estratagema cínico para manter os candidatos fora das cada vez mais militarizadas fronteiras da Hungria. Na tóxica campanha para o referendo, a venenosa retórica anti-refugiados atinge níveis inflamados", acrescentou.

O relatório baseia-se em investigações realizadas na Sérvia, Hungria e Áustria e em entrevistas a 143 pessoas, na maioria refugiados e migrantes.

A Hungria terminou há um ano a construção de uma vedação ao longo da fronteira com a Sérvia, mais tarde estendida à fronteira com a Croácia, e aprovou legislação para acelerar os processos de avaliação de pedidos de asilo, apreciados em "zonas de trânsito" -- contentores de metal -- abertos em duas passagens fronteiriças cuja capacidade não excede os 30 atendimentos por dia, deixando centenas de pessoas em campos improvisados do outro lado da fronteira.

Sobre o referendo de domingo, o documento explica que a questão colocada aos eleitores não diz diretamente respeito ao sistema de quotas ou a outras medidas europeias, mas se "a Europa deve ditar, mesmo sem acordo da Assembleia Nacional, a instalação obrigatória de cidadãos não-húngaros".

Segundo a AI, a campanha para o referendo tem sido acompanhada pela colocação de centenas de cartazes por todo o país com mensagens que relacionam refugiados e migrantes com terrorismo e outros crimes violentos.

"As mesmas mensagens são difundidas na rádio e na televisão, publicadas na imprensa e repetidas em comunicados do governo".

O relatório da AI, de 30 páginas, descreve uma série de situações de abuso dos direitos básicos dos migrantes e termina com um conjunto de recomendações ao governo húngaro e às instituições europeias.

A Bruxelas, a AI pede nomeadamente que conclua o procedimento por infração da legislação europeia neste domínio e que assegure o seu cumprimento futuro.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28