sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Número de mortos em naufrágio na costa do Egito sobe para 202

Novos corpos foram esta terça-feira recuperados ao largo do Egito, elevando para pelo menos 202 mortos o balanço do naufrágio de uma embarcação de pesca ocorrido na semana passada e que transportava centenas de migrantes, divulgaram as autoridades egípcias.

A embarcação virou-se na quarta-feira passada no Mediterrâneo, a cerca de 12 quilómetros ao largo da cidade portuária de Rosetta, e transportava pelo menos 450 migrantes, segundo os testemunhos de vários sobreviventes.

"O número de mortos no naufrágio de uma embarcação com migrantes ao largo de Rosetta subiu para 202", anunciou o Ministério da Saúde egípcio num comunicado, precisando que "33 corpos foram recuperados" durante o dia de hoje.

O anterior balanço do naufrágio dava conta de mais de 160 mortos.

"A embarcação está a ser transportada para terra", indicou, em declarações à agência francesa noticiosa AFP, Wahdan al-Sayyed, um porta-voz da província de Beheira, onde está localizada a cidade portuária.

O mesmo porta-voz tinha anunciado anteriormente que os destroços da embarcação tinham sido colocados novamente a flutuar e que as equipas de resgate tinham conseguido ter acesso à câmara frigorífica da embarcação de pesca, onde viajavam mais de 100 pessoas, de acordo com os testemunhos de sobreviventes.

Pelo menos 163 pessoas foram resgatadas pelas equipas de socorro.

A maioria dos sobreviventes são oriundos do Egito, mas também existem pessoas do Sudão, Eritreia, Síria e da Etiópia, segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Este naufrágio surge meses após responsáveis da agência de gestão de fronteiras da União Europeia (Frontex) ter alertado para o crescente número de migrantes que tentam alcançar a Europa a partir do Egito, um novo ponto de partida para a perigosa travessia e que surge na sequência do encerramento da rota dos Balcãs e do acordo União Europeia (UE) /Turquia sobre migrações e refugiados.

As embarcações disponibilizadas pelos traficantes estão muitas vezes em mau estado e sobrelotadas com passageiros que pagaram a viagem.

Segundo o Alto-Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR), as partidas de embarcações do Egito representam cerca de 10% das chegadas à Europa.

A agência da ONU informou na sexta-feira que mais de 4.600 pessoas não egípcias, grande parte oriunda do Sudão e da Etiópia, foram detidas este ano quando tentavam viajar por mar a partir da costa norte do Egito.

"Perto de 302.149 migrantes e refugiados entraram na Europa por mar durante o ano corrente", indicou hoje a OIM num comunicado, precisando que estas chegadas são feitas principalmente via Grécia e Itália.

Cerca de 3.500 pessoas estão dadas como desaparecidas ou perderam a vida quando tentavam atravessar o Mediterrâneo em direção à Europa, de acordo com a ONU.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.

  • Bloco e PCP disponíveis para alterar OE, PSD diz que Governo "pode contar" com o partido
    1:04

    País

    Bloco de Esquerda e PCP mostram-se disponíveis para alterar o Orçamento do Estado do próximo ano na fase da especialidade, apesar de apontarem algumas falhas nas propostas. O PSD sublinha as alterações nos concursos para a proteção civil, mas critica o tempo que o Governo demorou a aprovar as indemnizações às famílias das vítimas mortais dos incêndios.

  • TAP recruta mais assistentes de bordo
    2:40

    Economia

    A TAP assegura que, até ao final de outubro, os problemas com falta de tripulação vão terminar. Até ao final do ano vão ser contratados novos assistentes de bordo, mas o sindicato diz que não chega.

  • "Um ataque e uma humilhação contra o povo catalão"
    1:35