sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Hungria quer proibir realojamento maciço de migrantes

© Marko Djurica / Reuters

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, propôs esta segunda-feira alterações constitucionais destinadas a proibir o realojamento maciço de migrantes, após o apoio dos eleitores, em referendo, à sua rejeição de um plano de quotas de refugiados elaborado pela União Europeia.

"As populações estrangeiras não podem ser reinstaladas na Hungria", escreveu Orban num pacote de alterações propostas à Constituição do país, publicadas na página do parlamento na Internet.

"Os cidadãos estrangeiros (não incluindo os nacionais de Estados membros da UE) só podem viver na Hungria com base na avaliação de pedidos individuais pelas autoridades húngaras, de acordo com as estipulações legais emanadas do parlamento", lê-se no texto.

As restantes alterações, que deverão ser votadas a 8 de novembro, incluem a ideia de que "a forma e a estrutura do Estado, do território do país e do seu povo" compõem a "identidade constitucional da nação húngara", que não pode ser alterada ou reescrita por qualquer lei externa.

Cerca de 3,3 milhões de cidadãos húngaros votaram a 2 de outubro contra o plano da União Europeia de distribuir migrantes pelos 28 Estados membros através de quotas obrigatórias, sem o consentimento dos parlamentos nacionais.

O escrutínio foi declarado inválido devido à baixa afluência, mas 98% daqueles que votaram rejeitaram a proposta da UE.

Orban, de direita, saudou o resultado como tratando-se de uma "vitória retumbante" na sua revolta populista contra Bruxelas e comprometeu-se a alterar a Constituição para "refletir a vontade do povo".

"Esta alteração constitucional assenta na vontade da maioria de 98%, 3,3 milhões de pessoas, mais votantes que os militantes de qualquer partido no quarto de século decorrido desde a mudança do sistema (do comunismo), lê-se no documento.

A alteração deverá ser aprovada com a requerida maioria parlamentar de dois terços e é provável que tenha o apoio do partido da direita radical, Jobbik.

O discurso populista de linha dura de Orban atraiu fortes críticas da UE, que hoje também condenou a suspensão de surpresa do principal jornal húngaro da oposição durante o fim de semana, desencadeando receios de mais uma restrição à liberdade de imprensa.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Portugueses usam Facebook para marcar protestos contra incêndios

    País

    Os incêndios que têm acontecido este ano estão a causar revolta entre a população. Por essa razão, estão marcadas, através da rede social Facebook, várias manifestações para os próximos dias um pouco por todo o país. Os portugueses exigem a melhoria do sistema, para que as tragédias deste ano não se voltem a repetir.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • "Quem está no Governo tem sérias responsabilidades"
    1:07

    Opinião

    Pacheco Pereira aponta falhas do Estado, dos bombeiros e da Proteção Civil como causa dos incêndios que assolaram o país no passado domingo. O comentador da SIC considera que o Governo tem responsabilidade perante o que aconteceu.

  • Presidente das Indústrias de Madeira diz que fogos estão a afetar o setor
    0:39

    País

    A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário desvaloriza que os industriais do setor possam comprar madeira mais barata, em resultado dos incêndios florestais. Em entrevista na SIC Notícias, o presidente da associação, Vítor Poças, considera que os fogos estão a prejudicar gravemente a indústria.