sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Hungria quer proibir realojamento maciço de migrantes

© Marko Djurica / Reuters

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, propôs esta segunda-feira alterações constitucionais destinadas a proibir o realojamento maciço de migrantes, após o apoio dos eleitores, em referendo, à sua rejeição de um plano de quotas de refugiados elaborado pela União Europeia.

"As populações estrangeiras não podem ser reinstaladas na Hungria", escreveu Orban num pacote de alterações propostas à Constituição do país, publicadas na página do parlamento na Internet.

"Os cidadãos estrangeiros (não incluindo os nacionais de Estados membros da UE) só podem viver na Hungria com base na avaliação de pedidos individuais pelas autoridades húngaras, de acordo com as estipulações legais emanadas do parlamento", lê-se no texto.

As restantes alterações, que deverão ser votadas a 8 de novembro, incluem a ideia de que "a forma e a estrutura do Estado, do território do país e do seu povo" compõem a "identidade constitucional da nação húngara", que não pode ser alterada ou reescrita por qualquer lei externa.

Cerca de 3,3 milhões de cidadãos húngaros votaram a 2 de outubro contra o plano da União Europeia de distribuir migrantes pelos 28 Estados membros através de quotas obrigatórias, sem o consentimento dos parlamentos nacionais.

O escrutínio foi declarado inválido devido à baixa afluência, mas 98% daqueles que votaram rejeitaram a proposta da UE.

Orban, de direita, saudou o resultado como tratando-se de uma "vitória retumbante" na sua revolta populista contra Bruxelas e comprometeu-se a alterar a Constituição para "refletir a vontade do povo".

"Esta alteração constitucional assenta na vontade da maioria de 98%, 3,3 milhões de pessoas, mais votantes que os militantes de qualquer partido no quarto de século decorrido desde a mudança do sistema (do comunismo), lê-se no documento.

A alteração deverá ser aprovada com a requerida maioria parlamentar de dois terços e é provável que tenha o apoio do partido da direita radical, Jobbik.

O discurso populista de linha dura de Orban atraiu fortes críticas da UE, que hoje também condenou a suspensão de surpresa do principal jornal húngaro da oposição durante o fim de semana, desencadeando receios de mais uma restrição à liberdade de imprensa.

Lusa

  • Depois do Fogo
    23:30

    Reportagem Especial

    Foi o incêndio mais mortífero de que há memória. No dia 17 de junho, as chamas apanharam desprevenidos moradores de vários concelhos e fizeram pelo menos 64 mortos. O incêndio prolongou-se durante vários dias deixando um rasto de histórias de perda e de sobrevivência, mas também de solidariedade de um sem número de pessoas anónimas.

  • "A menina agora volta para casa. Nós não." 

    Foi o desabafo do Cesário que me fez escrever qualquer coisa sobre o que vivi na última semana. Eram dez e pouco da noite, tinha acabado a vigília de homenagem às vítimas em Figueiró dos Vinhos e ele ainda tinha na mão um balão branco que àquela hora já só estava meio cheio. Era o último dia de uma longa e dura jornada de trabalho e estávamos a arrumar as coisas para no dia seguinte regressarmos a Lisboa.

    Débora Henriques

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24

    País

    Pedrógão Grande fez reviver o drama vivido pelas gentes da Serra do Caldeirão no verão de 2012. Falta de bombeiros, moradores retirados à força, casas e floresta destruídas são semelhanças que encontram nestes dramas separados por cinco anos.

  • Novo avião da TAP com pintura retro
    0:36

    Economia

    O novo avião da TAP chama-se "Portugal", tem uma pintura retro e vai sobrevoar os céus do pais a partir desta segunda-feira. A companhia aérea explica que o nome e a pintura são uma forma de homenagear a ligação histórica entre a empresa e o país.