sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Hungria quer proibir realojamento maciço de migrantes

© Marko Djurica / Reuters

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, propôs esta segunda-feira alterações constitucionais destinadas a proibir o realojamento maciço de migrantes, após o apoio dos eleitores, em referendo, à sua rejeição de um plano de quotas de refugiados elaborado pela União Europeia.

"As populações estrangeiras não podem ser reinstaladas na Hungria", escreveu Orban num pacote de alterações propostas à Constituição do país, publicadas na página do parlamento na Internet.

"Os cidadãos estrangeiros (não incluindo os nacionais de Estados membros da UE) só podem viver na Hungria com base na avaliação de pedidos individuais pelas autoridades húngaras, de acordo com as estipulações legais emanadas do parlamento", lê-se no texto.

As restantes alterações, que deverão ser votadas a 8 de novembro, incluem a ideia de que "a forma e a estrutura do Estado, do território do país e do seu povo" compõem a "identidade constitucional da nação húngara", que não pode ser alterada ou reescrita por qualquer lei externa.

Cerca de 3,3 milhões de cidadãos húngaros votaram a 2 de outubro contra o plano da União Europeia de distribuir migrantes pelos 28 Estados membros através de quotas obrigatórias, sem o consentimento dos parlamentos nacionais.

O escrutínio foi declarado inválido devido à baixa afluência, mas 98% daqueles que votaram rejeitaram a proposta da UE.

Orban, de direita, saudou o resultado como tratando-se de uma "vitória retumbante" na sua revolta populista contra Bruxelas e comprometeu-se a alterar a Constituição para "refletir a vontade do povo".

"Esta alteração constitucional assenta na vontade da maioria de 98%, 3,3 milhões de pessoas, mais votantes que os militantes de qualquer partido no quarto de século decorrido desde a mudança do sistema (do comunismo), lê-se no documento.

A alteração deverá ser aprovada com a requerida maioria parlamentar de dois terços e é provável que tenha o apoio do partido da direita radical, Jobbik.

O discurso populista de linha dura de Orban atraiu fortes críticas da UE, que hoje também condenou a suspensão de surpresa do principal jornal húngaro da oposição durante o fim de semana, desencadeando receios de mais uma restrição à liberdade de imprensa.

Lusa

  • Primeiro-ministro agradece sacrifícios dos portugueses
    0:46

    Economia

    O primeiro-ministro diz que os números do INE em relação ao défice de 2016 são prova de que havia uma alternativa e deixou uma palavra de agradecimento aos portugueses. As declarações de António Costa foram feiras aos jornalistas em Roma, onde se encontra para assinalar no sábado os 60 anos da União Europeia.

  • Jerónimo diz que UE vai continuar a causar constrangimentos a Portugal
    0:35

    Economia

    Esta sexta-feira na inauguração de uma exposição em Almada que denuncia a precariedade dos postos de trabalho, Jerónimo de Sousa falou sobre o défice de 2016. Para o secretário-geral do PCP, apesar do Governo ter ido além do exigido por Bruxelas, a União Europeia vai continuar a impedir Portugal de crescer.

  • Enfermeiros desconvocam greve

    País

    O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) desconvocou esta sexta-feira a greve geral nacional marcada para quinta e sexta-feira da próxima semana, anunciou o presidente da estrutura, justificando com os compromissos assumidos pelo Ministério da Saúde.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Probido fumar na praia? Não-fumadores aplaudem ideia
    1:33

    País

    O Comissário Europeu da Saúde defende uma proibição total do consumo de tabaco no espaço público. Esta e outras medidas foram defendidas, ontem, na Conferência Tabaco e Saúde da Liga Portuguesa Contra o Cancro. 

  • Visitar o Titanic vai custar 97 mil euros por pessoa

    Mundo

    Uma viagem a bordo do Titanic em 1912 era considerada uma viagem de luxo. Mais de 100 anos depois, continua a ser um luxo visitar o Titanic. Em 2018, vai ser possível conhecer os restos daquele que em tempos foi o maior navio do mundo. Contudo, nem todos vão poder fazê-lo, pois a viagem irá custar cerca de 97 mil euros por pessoa.