sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Marcelo afirma que Portugal abre os braços aos refugiados quando há quem crie muros

M\303\201RIO CRUZ

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta quarta-feira que, numa altura em que "há quem crie obstáculos, muros e limites à entrada e saída de pessoas", a posição portuguesa "é abrir os braços" aos refugiados.

À entrada para um almoço com refugiados na Cozinha Popular da Mouraria, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa explicou aos jornalistas que este momento tem um "significado muito especial" porque era uma refeição "com comida do Médio Oriente, cozinhada por refugiados, que vêm do Iraque, da Síria e da Eritreia".

"E portanto é um pequeno sinal daquilo que nós pensamos: no momento em que há quem crie obstáculos, muros, limites à entrada e à saída das pessoas, a posição portuguesa é abrir os braços", sublinhou, sem referir diretamente o nome do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que aprovou um conjunto de medidas anti-imigração.

O Presidente da República considera que um almoço como o de hoje é um "pequeno gesto" que às vezes vale "mais do que grandes proclamações contra essas políticas".

"Abrir os braços como sempre abrimos e naturalmente aceitar como sempre fomos aceites por todo o mundo", enalteceu.

Lusa

  • Número de mortos nos incêndios sobe para 44

    País

    Os incêndios florestais que deflagraram no domingo em várias zonas do país provocaram 44 mortos, disse esta sexta-feira a adjunta do comando nacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar.

  • Atividade económica regista crescimento

    Economia

    A atividade económica portuguesa está a crescer ao maior ritmo dos últimos 17 anos. O crescimento registado em setembro é o mais elevado desde janeiro de 2000. Já o consumo privado registou uma diminuição face a agosto.

    SIC

  • Aberta nova frente de guerra no Iraque
    1:20

    Mundo

    Uma nova frente de guerra no Iraque está aberta. O exército de Bagdade combate as forças curdas e luta pelo controlo da província petrolífera de Kirkuk. Na origem da ofensiva está o referendo não reconhecido à independência do Curdistão.