sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Mais de 500 migrantes saltam cerca para entrar em Ceuta

Há vários feridos. O número ainda não é certo mas a Cruz Vermelha fala em pelo menos 2 agentes hospitalizados e vários migrantes feridos dos mais de 500 que forçaram a cerca de arame farpado da fronteira de Tarajal para pisarem solo espanhol e entrarem na cidade autónoma de Ceuta, confirmou o 112 de Ceuta na sua conta de Twitter.

As câmaras de vigilância da Guardia Civil espanhola registaram mais de 500 migrantes a galgarem a fronteita de Ceuta. Às 7:30 da manhã mais de 350 pessoas já estavam à porta do CETI, o Centro Temporário para Imigrantes, com capacidade para 512 pessoas e que já estava sobrelotado.

A Cruz Vermelha diz que a prioridade é tratar dos feridos. Pelo menos 2 agentes foram hospitalizados mas há vários migrantes com muitos ferimentos provocados pelo arame farpado, instalado na linha divisória com mais de 6 metros de altura que separa Marrocos e a cidade espanhola de Ceuta.

Segundo as autoridades espanholas, a entrada forçada registou-se por volta das 04:00 em quatro pontos diferentes da fronteira de Tarajal.

O enclave reivindicado por Rabat, constitui, ao lado de Melilla,no norte de África, a única fronteira terrestre entre o continente africano e a União Europeia e é, por isso, palco de repetidas investidas da imigração clandestina procedente da África Subsaariana ou do Magreb.

A 9 de dezembro, 438 pessoas oriundas de países subsarianos forçaram a entrada na cidade de Ceuta. Menos de um mês depois, na madrugada do dia 1 de janeiro, mais de 1.100 pessoas tentaram forçar a vedação mas apenas duas conseguiram ultrapassar a barreira e entrar em Ceuta.

Ainda esta semana a Agência Europeia de Fronteiras atualizou os números relativos a 2016. A Frontex confirma que só no ano passado entraram nos territórios espanhóis de Ceuta e Melilla cerca de mil pessoas que procuram alcançar o continente europeu, na maior parte africanos.

  • "É muito importante que haja um cabal esclarecimento"
    0:37
  • Como se sobrevive à dor em Nodeirinho e Pobrais
    2:43
  • Madeireiros sem emprego após incêndios
    2:57
  • Chamas no concelho de Torre de Moncorvo ameaçaram aldeia
    1:30

    País

    Dois incêndios no concelho de Torre de Moncorvo deram luta aos bombeiros na tarde de ontem e também durante toda a noite. As chamas estiveram muito próximas da aldeia de Cabanas de Cima, mas os bombeiros conseguiram desviar o fogo.