sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Entradas em Itália provenientes da Líbia aumentaram 30% em 2017

© Yannis Behrakis / Reuters

Entre janeiro e abril chegaram a Itália cerca de 28 mil migrantes provenientes da Líbia, o que representa um aumento em 30% face ao ano anterior, segundo dados da agência europeia de fronteiras Frontex.

O fluxo de migrantes que chegam à Europa através da rota do Mediterrâneo central está a aumentar, disse o diretor da Frontex, Fabrice Leggeri, em entrevista publicada hoje num jornal alemão, em comparação aos que chegam através da rota do Mediterrâneo oriental, fluxo que está a diminuir drasticamente.

Em cada embarcação intercetada na rota do Mediterrâneo central "vão em média cerca de 170 pessoas, geralmente sem combustível nem provisões suficientes para a viagem", sendo que há "dois anos a média era de cerca de 100 migrantes" nessa situação, disse Fabrice Leggeri.

Entre janeiro e abril, apenas seis mil migrantes entraram na Europa pelo Mar Egeu, entre a Turquia e a Grécia, a rota oriental, o que supõe menos 94% de pessoas relativamente ao ano passado.

O diretor da agência europeia de fronteiras atribuiu essa queda acentuada ao acordo entre a União Europeia e a Turquia sobre os migrantes, em que a Turquia recebe no seu território refugiados e fecha a fronteira em troca de apoio financeiro europeu.

Sob este acordo, a União Europeia já devolveu à Turquia mais de mil migrantes, assinalou Fabrice Leggeri, acrescentando que não há sinais de que Ancara não esteja a cumprir o pacto, apesar das ameaças do governo turco nesse sentido.

Leggeri nota ainda que a maioria dos migrantes que chegam à Europa através da rota do Mediterrâneo central não são cidadãos da Síria, como acontece na rota oriental, mas pessoas da Costa do Marfim, da Guiné, da Nigéria e do Bangladesh.

As máfias que traficam refugiados estão a servir-se da situação caótica enfrentada pela Líbia, devastada por uma guerra civil, disse o diretor da Frontex.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.