Crise no Sporting

Agressões podem configurar sequestro, ameaça agravada e terrorismo

M\303\201RIO CRUZ

O Ministério Público (MP) disse esta quarta-feira que os detidos pelas agressões a futebolistas do Sporting são suspeitos de práticas que podem configurar crimes de sequestro, ameaça agravada, ofensa à integridade física qualificada, e terrorismo, entre outros.

"Em causa estão factos suscetíveis de integrarem os crimes de introdução em lugar vedado ao público, ameaça agravada, ofensa à integridade física qualificada, sequestro, dano com violência, detenção de arma proibida agravado, incêndio florestal, resistência e coação sobre funcionário e também de um crime de terrorismo", refere a nota do MP.

Por entender que aos arguidos, num total de 23 detenções, devem ser aplicadas medidas de coação mais gravosas do que o termo de identidade e residência, o MP apresentou os detidos a primeiro interrogatório judicial no Juízo de Instrução Criminal do Barreiro, onde desde hoje à tarde estão a ser ouvidos.

A nota acrescenta que se está "indiciado que os detidos entraram, sem autorização, naquelas instalações onde se encontrava a equipa principal do SCP, tendo ameaçado e agredido jogadores e técnicos e causado estragos nos equipamentos bem como em diversas viaturas".

"As investigações prosseguem no âmbito de um inquérito dirigido pelo Ministério Público do DIAP da Comarca de Lisboa (secção do Montijo), o qual tem sido coadjuvado pela GNR", conclui a nota.

Na terça-feira, cerca de 50 pessoas, de cara tapada, alegadamente adeptos 'leoninos', invadiram a Academia do Sporting, em Alcochete, e, depois de terem percorrido os relvados, chegaram ao balneário da equipa principal, agredindo vários jogadores, entre os quais Bas Dost, Acuña, Rui Patrício, William Carvalho, Battaglia e Misic, assim como o treinador Jorge Jesus e outros membros da equipa técnica.

Na sequência da invasão à Academia 'leonina', a GNR deteve 23 suspeitos, apreendeu cinco viaturas ligeiras, vários artigos relacionados com os crimes e recolheu depoimentos de 36 pessoas, entre jogadores, equipa técnica, funcionários e vigilantes ao serviço do clube.

A equipa principal do Sporting cumpria o primeiro treino da semana, depois da derrota no terreno do Marítimo (2-1), que relegou a equipa para o terceiro lugar da I Liga, iniciando a preparação para a final da Taça de Portugal, no domingo, frente ao Desportivo das Aves.

Lusa

  • Quem serão os agressores de Alcochete?
    1:26

    Crise no Sporting

    As informações imediatas apontavam para a Juventude Leonina, uma vez que alguns agressores tinham elementos de identificação da claque. Alguma imprensa diz que os suspeitos são próximos do antigo líder Fernando Mendes. Por outro lado, o Diário de Notícias falou em "Casuals", um movimento ligado ao hooliganismo, conhecido por atos de violência no futebol.

  • Agressões em Alcochete. O filme do dia em 1:26
    1:25

    Crise no Sporting

    Poucos minutos após as 17h00 um grupo de adeptos de cara tapada invadiu a academia do Sporting em Alcochete. O grupo dirigiu-se aos balneários e agrediu jogadores e equipa técnica. A GNR foi chamada ao local e deteve mais de 20 adeptos. Mais tarde soube-se que tinham todos ligações à claque sportinguista, Juve Leo. Os jogadores apresentaram queixa e saíram já de madrugada do posto do Montijo.

  • Marcelo "vexado" com agressões à equipa do Sporting
    1:00

    Crise no Sporting

    O Presidente da República não adianta se estará ou não presente no Jamor, na final da Taça de Portugal. Marcelo Rebelo de Sousa disse hoje que é preciso travar a violência no desporto português, em particular no futebol e sublinha que os episódios de violência como os de ontem são muitos graves e envergonham Portugal.