Crise no Sporting

Altice Portugal repudia atos de violência relacionados com o Sporting

Rafael Marchante/ Reuters

A Altice Portugal, patrocinadora de vários clubes de futebol, entre eles o FC Porto, bem como da seleção nacional, manifestou esta quarta-feira o seu "repúdio" pelos atos de violência de terça-feira relacionados com o Sporting.

"O futebol Português não merece este tipo de comportamentos e muito menos ser beliscado por atos que em nada se identificam com a linha estratégica e orientadora do nosso País", criticou a empresa, em comunicado.

Em causa as agressões de que foram alvo os jogadores e equipa técnica do Sporting, na terça-feira, quando um grupo de adeptos invadiu a Academia do clube, em Alcochete, situação que tem manifestado reações reprovadoras de diversas entidades desportivas e políticas.

"A Altice Portugal não pode deixar de repudiar o episódio de violência (...) alhear-se dos factos ocorridos esta terça-feira que não representam, de forma alguma, o espírito do Desporto que se quer feito de competição saudável, espetáculo e desportivismo", refere a empresa.

A entidade reconhece, no entanto, "o esforço e dedicação dos mais diversos intervenientes no futebol português" e revela "orgulho" pelos seus resultados internacionais, nomeadamente o facto de Portugal ostentar o título de campeão da Europa.

"Não podemos ignorar a importância do futebol para a sociedade portuguesa, as emoções que desperta, o orgulho que provoca, as paixões que motiva. O futebol é, sem dúvida, desporto rei em Portugal, por isso mesmo exige responsabilidade e responsabilização", reforça.

A Altice Portugal, que entende que este episódio "não representa o futebol, nem o desporto português", é patrocinadora, através do MEO, de vários clubes nacionais, da seleção, estando ainda associada ao Desporto Escolar Português.

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16