sicnot

Perfil

Dérbi com todos

Dérbi com todos

Dérbi com todos

Lembra-se do 6-3? Isaías também

Isaías há cerca de um ano no Rio de Janeiro, quando festejou o "tri" do Benfica"

O antigo futebolista brasileiro Isaías guarda com especial carinho na memória o "histórico" 6-3 com que o Benfica venceu o Sporting em 1993/94, num triunfo que lançou então os encarnados em definitivo para a conquista do título.

A três dias de se jogar mais um duelo na história particular dos dois rivais de Lisboa, o ex-jogador do Benfica, hoje com 53 anos, realça que "muita gente não acreditava" naquela altura na capacidade da equipa para conseguir ultrapassar um Sporting poderoso em Alvalade e que alimentava também o sonho de ser campeão.

"Pelo momento que atravessava o Benfica e pela sua gestão, com salários em atraso e em que tínhamos de tentar resolver a questão ganhando o campeonato, o dérbi mais marcante foi quando fomos a Alvalade ganhar 6-3.

Até hoje as pessoas lembram esse desafio. Ficou marcado, mas todos os dérbis tinham um gostinho especial", refere à Lusa o antigo avançado.

Nesse desafio, a 14 de maio de 1994, o Benfica entrou a perder, mas o clube da Luz viria a revelar-se mais forte, contando então também com o acerto do jogador brasileiro, que assinou dois dos seis golos "encarnados".

Apesar do feito, Isaías considera que o momento mais marcante do jogo não chegou com nenhum dos seus golos, mas sim com o terceiro do colega João Pinto.

"Foi quando conseguimos dar a volta ao resultado. Tivemos um livre do lado direito, o Paneira centrou a bola ao segundo poste, eu consegui ganhar de cabeça e passei para o João Pinto, que fez o 3-2.

A partir daí, ganhámos um pouco de tranquilidade e sentimos que poderíamos conquistar a vitória", frisa, evidenciando a "quebra de ânimo" entre os "leões".

O facto de não ser internacional brasileiro num plantel que estava habituado a contar com vários jogadores desse calibre fez então Isaías assumir uma responsabilidade maior nos grandes duelos com os rivais para se poder equiparar sem condicionalismos aos colegas: "Tinha sempre de procurar fazer a diferença. Preparava-me de forma especial para estes jogos".

Durante cinco épocas na Luz, o jogador que se celebrizou pelo seu "pontapé-canhão" apontou cinco golos em oito duelos com o Sporting. Na memória estão não só os golos, mas também as inúmeras tentativas dos locais mais improváveis do campo, algo que o ex-jogador refere que era fruto do trabalho e não de pura sorte.

"É muito bom ter, essa lembrança dos adeptos, no currículo. Os adeptos não esquecem. Sempre fiz golos que as pessoas achavam impossíveis, mas eu sabia que não eram impossíveis, porque trabalhava com muita aplicação e dedicação durante a semana. A alegria do futebol não é uma jogada bonita, uma "cueca" ou um chapéu, é a bola dentro das redes. E eu trabalhava para isso", sublinhou.

O contexto atual volta a colocar o Benfica na discussão pelo título nacional, mas desta feita os "leões" parecem já correr por fora, numa fase em que o Sporting ocupa o terceiro posto, a oito pontos da liderança.

Porém, Isaías salienta o valor do adversário e a sua determinação em dar uma alegria aos respetivos adeptos. "O Sporting vai fazer tudo para colocar uma pedra no caminho do Benfica. Tem esta oportunidade de atrapalhar a vida do Benfica em relação à possibilidade de conquistar o 36.º título. Por isso, o Benfica tem de jogar de igual para igual. A melhor maneira de evitar sofrer golos é ter a bola longe da baliza", sentenciou.

O Sporting, terceiro classificado, com 63 pontos, recebe este sábado, às 20h30, o Benfica, líder, com 71, num jogo referente à 30.ª jornada da I Liga, marcado para o Estádio José Alvalade.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC