sicnot

Perfil

Descarrilamento na Galiza

Descarrilamento na Galiza

Descarrilamento na Galiza

Corpo do maquinista português trasladado hoje

O corpo do maquinista português falecido no acidente ferroviário de sexta-feira em O Porriño, Espanha, vai ser trasladado para Portugal esta terça-feira, depois de o Tribunal Superior de Justiça da Galiza comprovar a identidade do falecido.

"O consulado de Portugal [em Vigo] acaba de enviar o documento de identificação oficial, o que permite a realização amanhã (terça-feira) da verificação [da identidade] e a entrega do corpo", disse à Lusa fonte oficial do tribunal.

No acidente ferroviário de sexta-feira faleceram quatro pessoas, o maquinista de nacionalidade portuguesa, natural de Ermesinde, um cidadão norte-americano, e mais dois espanhóis (o revisor do comboio e maquinista estagiário) cujos funerais já se realizaram no domingo.

O corpo do passageiro norte-americano já foi identificado de forma oficial, estando a embaixada dos Estados Unidos a ultimar os trâmites para repatriar o cadáver, segundo a mesma fonte do tribunal.

Os presidentes da Renfe (comboios espanhóis) e da ADIF (infraestruturas ferroviárias espanholas) deverão comparecer no parlamento, em Madrid, para informar os deputados sobre o acidente.

Segundo o governo regional da Galiza, nove de um total de meia centena de feridos no acidente de comboio ainda estavam no domingo a receber cuidados médicos em unidades hospitalares.

A Comissão de Investigação de Acidentes Ferroviários (CIAF) de Espanha está a investigar o acidente, nomeadamente a caixa negra do comboio.

A circulação na linha onde na sexta-feira descarrilou o comboio foi restabelecida no sábado e os destroços deverão ser removidos na terça-feira.

Lusa

  • Como se sobrevive à dor em Nodeirinho e Pobrais
    2:43
  • Raphäel Guerreiro vai continuar a acompanhar a seleção
    1:08
  • 74 mil alunos do secundário têm a vida "suspensa" 
    2:22

    País

    Enquanto o Ministério Público investiga a fuga de informação no exame nacional de Português do 12.º ano, 74 mil estudantes ficam com a vida suspensa. Se a fuga se confirmar, o exame corre o risco de ser anulado e as candidaturas ao ensino superior atrasam. O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pelos exames, prometeu esclarecimentos para os próximos dias.