sicnot

Perfil

Descarrilamento na Galiza

Descarrilamento na Galiza

Descarrilamento na Galiza

Travões do comboio que descarrilou funcionavam mas ainda não se pode falar de falha humana

© Reuters

Um dos técnicos que está a investigar o acidente ferroviário de 9 de setembro na Galiza assegurou hoje que o sistema de travões do comboio que descarrilou "funcionava perfeitamente", mas que "ainda não se pode falar" de falha humana.

Os especialistas realizaram esta manhã uma série de verificações na localidade de O Porrino, em Pontevedra, no local do acidente em que morreram quatro pessoas, entre eles o maquinista português, e em que 49 pessoas tiveram feridas diversas, estando um delas ainda hospitalizada.

Segundo Juan Carlos Carballeira, os técnicos constataram que o sistema de travões "funcionava bem" antes de a composição ter descarrilado, assim como hoje, duas semanas depois do acidente.

Este técnico precisou que os sinais acústicos e luminosos e as agulhas funcionavam e que na inspeção de hoje não encontraram irregularidades, mas acrescentou que vão ser feitas mais provas periciais na próxima semana.

Carballeira recordou que o comboio que fazia a rota Vigo-Porto circulava em excesso de velocidade, ia a 118 km/hora numa vía em que a velocidade estava limitada a 30 km/hora, e que ainda se desconheciam as causas exatas do acidente.

Para o técnico, a informação extraída das "caixas negras", que registam os dados técnicos do comboio, revelam que o maquinista falecido tinha reconhecido os sinais para reduzir a velocidade, mas que "ainda não se pode falar" de falha humana.

Entretanto o ministro espanhol da Justiça e do Fomento em funções, Rafael Catalá, calculou na quinta-feira, em Madrid, que o relatório final da comissão de investigação de acidentes ferroviários demorará seis a nove meses até estar pronto.

Atualmente estão a ser feitas duas investigações ao acidente, uma judicial e outra dependente do Ministério do Fomento espanhol.

Lusa

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Rui Patrício confirmado no Wolverhampton

    Desporto

    O Wolverhampton anunciou esta segunda-feira a contratação do guarda-redes Rui Patrício, depois da rescisão com o Sporting. O guarda-redes da seleção nacional assinou contrato com o clube inglês por quatro épocas.

    SIC

  • Novo treinador do Sporting diz que mulheres não estão preparadas para falar de futebol
    1:23
  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC