sicnot

Perfil

Descarrilamento na Galiza

Descarrilamento na Galiza

Descarrilamento na Galiza

Travões do comboio que descarrilou funcionavam mas ainda não se pode falar de falha humana

© Reuters

Um dos técnicos que está a investigar o acidente ferroviário de 9 de setembro na Galiza assegurou hoje que o sistema de travões do comboio que descarrilou "funcionava perfeitamente", mas que "ainda não se pode falar" de falha humana.

Os especialistas realizaram esta manhã uma série de verificações na localidade de O Porrino, em Pontevedra, no local do acidente em que morreram quatro pessoas, entre eles o maquinista português, e em que 49 pessoas tiveram feridas diversas, estando um delas ainda hospitalizada.

Segundo Juan Carlos Carballeira, os técnicos constataram que o sistema de travões "funcionava bem" antes de a composição ter descarrilado, assim como hoje, duas semanas depois do acidente.

Este técnico precisou que os sinais acústicos e luminosos e as agulhas funcionavam e que na inspeção de hoje não encontraram irregularidades, mas acrescentou que vão ser feitas mais provas periciais na próxima semana.

Carballeira recordou que o comboio que fazia a rota Vigo-Porto circulava em excesso de velocidade, ia a 118 km/hora numa vía em que a velocidade estava limitada a 30 km/hora, e que ainda se desconheciam as causas exatas do acidente.

Para o técnico, a informação extraída das "caixas negras", que registam os dados técnicos do comboio, revelam que o maquinista falecido tinha reconhecido os sinais para reduzir a velocidade, mas que "ainda não se pode falar" de falha humana.

Entretanto o ministro espanhol da Justiça e do Fomento em funções, Rafael Catalá, calculou na quinta-feira, em Madrid, que o relatório final da comissão de investigação de acidentes ferroviários demorará seis a nove meses até estar pronto.

Atualmente estão a ser feitas duas investigações ao acidente, uma judicial e outra dependente do Ministério do Fomento espanhol.

Lusa

  • Atirador canadiano mata combatente do Daesh a 3,5km de distância

    Mundo

    Um atirador das Forças Especiais do Canadá matou um combatente do Daesh com um tiro disparado a 3,5 quilómetros de distância, no passado mês de maio, no Iraque. O Comando de Operações Especiais canadiano garantiu à BBC que a distância do disparo, realizado com sucesso, é já considerada um recorde na história militar.

  • Revelada a verdadeira identidade de Banksy?

    Cultura

    O músico e produtor Goldie pode ter revelado a identidade do artista mais conhecido por Banksy, durante uma entrevista ao podcast do rapper Scroobius Pip. Goldie referiu Robert Del Naja de forma acidental e os fãs acreditam que a identidade do artista britânico foi finalmente desvendada.

  • "Mãe, por favor, para de dizer asneiras. Não quero que leves um tiro"
    0:51

    Mundo

    O Departamento de Investigação da Polícia do Minnesota divulgou esta sexta-feira um vídeo com imagens de um incidente que levou à morte de um afro-americano pela polícia, nos Estados Unidos da América. Em julho de 2016 um polícia atingiu mortalmente Philando Castile, de 32 anos, durante uma operação de controlo rodoviário. O homem procurava os documentos de identificação quando o polícia disparou quatro tiros. Nas imagens é possível ver o desespero da filha da companheira de Philiando Castile, minutos depois de ter visto o padrasto a morrer. O agente responsável pela morte de Castile foi absolvido pelo Tribunal na semana passada.

  • Depois da "provocação", o acidente em cadeia
    0:43

    Mundo

    Um vídeo de um acidente numa autoestrada em Santa Clarita, na Califórnia (EUA), está a tornar-se viral nas redes sociais. Nas imagens é possível ver um motociclista a dar um pontapé num carro que seguia à sua frente. Como forma de "retribuição", o carro vira na direção da mota mas bate no separador e depois numa carrinha que acabou por capotar. Segundo a imprensa norte-americana o condutor da carrinha foi levado para o hospital com ferimentos ligeiros. Já a pessoa que conduzia a mota seguiu o seu caminho.