Última Edição

0
0:08

Última Edição

1
2:11

Trump vence no Indiana e Ted Cruz abandona corrida à Casa Branca

2
1:35

Autor de disparo em rixa do Cais do Sodré sai em liberdade depois de ouvido pela PJ

3
2:05

Colégio Miltar admitiu caso de assédio sexual na instituição

4
1:47

União de Leiria no centro da Operação Matrioskas

5
1:26

Oposição alerta para medidas extraordinárias

6
2:09

PS promove discussão sobre o sistema bancário

7
1:34

Milhares de estudantes desfilaram no cortejo académico do Porto

8
2:15

Havana foi palco do novo desfile da Chanel

9
0:36

Polícias da Nova Zelândia mostram dotes de dança

10
1:29

Técnico do Manchester City confiante na passagem à final da Champions

11
1:20

Ronaldo diz que sempre soube que estava destinado a chegar ao topo

12
1:56

Três planetas potencialmente habitáveis descobertos fora do Sistema Solar

13
0:51

Nova moeda de 2 euros com coração de Viana de Joana Vasconcelos

Mais Especiais:

A primeira epidemia de Ébola na África Ocidental. A doença pode ter uma taxa de mortalidade de 90%

14:24 19.08.2014

Os 17 doentes com Ébola que fugiram foram todos encontrados

REUTERS

Dezassete doentes com Ébola que fugiram de  um centro de isolamento em Monróvia, quando este foi atacado, no fim de  semana, foram encontrados, afirmou hoje o ministro de Informação liberiano,  Lewis Brown.  

"Os 17 pacientes que fugiram do centro para doentes de Ébola foram todos  encontrados. Dirigiram-se a pé, por eles próprios, para o hospital JFK",  o principal estabelecimento do país, declarou o governante à agência France  Presse.  

Na noite de sábado, homens armados com bastões e facas atacaram e pilharam  o centro de isolamento na capital da Libéria, levando à fuga dos 17 doentes  internados.   

Brown disse ainda que seis profissionais de saúde liberianos infetados  com a febre hemorrágica estão a reagir positivamente ao soro experimental  norte-americano.  

A Libéria recebeu a 13 de agosto doses do soro experimental ZMapp, que  teve resultados positivos em dois norte-americanos contaminados, embora  não tenha permitido salvar um padre espanhol, que morreu a 12 de agosto.

Face à amplitude da epidemia, um comité de peritos convidado pela Organização  Mundial de Saúde (OMS) considerou "ético" permitir que medicamentos cuja  eficácia e efeitos secundários não estão medidos sejam utilizados "como  tratamento potencial ou medida preventiva". 

A Libéria é o país onde a epidemia do vírus Ébola já provocou o maior  número de mortos, 466 em 1.229 mortes registadas, segundo o último balanço  da OMS. 

 

Lusa

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .