Última Edição

0
0:05

Última Edição

1
1:40

Comissão Europeia dá nota negativa a Portugal

2
0:42

Costa acusa Governo de ter aumentado a dívida e a pobreza no país

3
1:42

Dois bombeiros feridos no combate a incêndio na baixa de Lisboa

4
2:39

Japão confirma veracidade do vídeo da execução de refém dos jihadistas

5
0:26

Conversações de paz entre Ucrânia e separatistas pró-russos terminam sem acordo

6
1:57

Dívida grega domina périplo europeu de Alexis Tsipras

7
1:05

Passos diz que Europa já foi solidária com a Grécia e que regras têm de ser cumpridas

8
0:54

PM convicto de que défice ficará abaixo dos 3%

9
0:37

PM diz que nada mais tem a acrescentar sobre o caso BES

10
0:44

PCP quer que PR preste por escrito informações sobre BES

11
2:57

Líder do Podemos diz que 2015 é ano de mudança

12
0:35

Carvalho da Silva avança para Belém, revela Marques Mendes

13
1:24

FC Porto defronta hoje o Paços de Ferreira

14
2:08

Jesus diz que Júlio César não deve recuperar a tempo do dérbi com o Sporting

Mais Especiais:

A primeira epidemia de Ébola na África Ocidental. A doença pode ter uma taxa de mortalidade de 90%

14:24 19.08.2014

Os 17 doentes com Ébola que fugiram foram todos encontrados

REUTERS

Dezassete doentes com Ébola que fugiram de  um centro de isolamento em Monróvia, quando este foi atacado, no fim de  semana, foram encontrados, afirmou hoje o ministro de Informação liberiano,  Lewis Brown.  

"Os 17 pacientes que fugiram do centro para doentes de Ébola foram todos  encontrados. Dirigiram-se a pé, por eles próprios, para o hospital JFK",  o principal estabelecimento do país, declarou o governante à agência France  Presse.  

Na noite de sábado, homens armados com bastões e facas atacaram e pilharam  o centro de isolamento na capital da Libéria, levando à fuga dos 17 doentes  internados.   

Brown disse ainda que seis profissionais de saúde liberianos infetados  com a febre hemorrágica estão a reagir positivamente ao soro experimental  norte-americano.  

A Libéria recebeu a 13 de agosto doses do soro experimental ZMapp, que  teve resultados positivos em dois norte-americanos contaminados, embora  não tenha permitido salvar um padre espanhol, que morreu a 12 de agosto.

Face à amplitude da epidemia, um comité de peritos convidado pela Organização  Mundial de Saúde (OMS) considerou "ético" permitir que medicamentos cuja  eficácia e efeitos secundários não estão medidos sejam utilizados "como  tratamento potencial ou medida preventiva". 

A Libéria é o país onde a epidemia do vírus Ébola já provocou o maior  número de mortos, 466 em 1.229 mortes registadas, segundo o último balanço  da OMS. 

 

Lusa

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .