Última Edição

0
0:05

Última Edição

1
1:16

UE tem obrigação moral de ajudar os refugiados, diz Passos

2
0:55

Reino Unido anuncia acolhimento de mais refugiados sírios

3
1:59

Cerca de 2 mil sírios chegaram a Atenas

4
0:09

Costa diz que a sua vida fala por si no apoio a refugiados

5
0:55

Nuno Melo acusa Costa de ver nos refugiados "pretexto" de combate à desertificação

6
1:34

Apenas um ponto separa PS e coligação

7
3:35

Ligações entre Governo e poder económico não são como no tempo socialista, diz Lobo Xavier

8
1:42

Agricultores invadem Paris contra custos elevados de produção

9
1:49

Seleção quer voltar a vencer França 40 anos depois

10
1:24

Selecionador francês quer relançar confiança da equipa frente a Portugal

11
1:42

Dois portugueses e Lopetegui no fórum de treinadores de elite da UEFA

12
1:27

Cinco antigas manequins da Vogue recriam foto de há 25 anos

Mais Especiais:

A primeira epidemia de Ébola na África Ocidental. A doença pode ter uma taxa de mortalidade de 90%

14:24 19.08.2014

Os 17 doentes com Ébola que fugiram foram todos encontrados

REUTERS

Dezassete doentes com Ébola que fugiram de  um centro de isolamento em Monróvia, quando este foi atacado, no fim de  semana, foram encontrados, afirmou hoje o ministro de Informação liberiano,  Lewis Brown.  

"Os 17 pacientes que fugiram do centro para doentes de Ébola foram todos  encontrados. Dirigiram-se a pé, por eles próprios, para o hospital JFK",  o principal estabelecimento do país, declarou o governante à agência France  Presse.  

Na noite de sábado, homens armados com bastões e facas atacaram e pilharam  o centro de isolamento na capital da Libéria, levando à fuga dos 17 doentes  internados.   

Brown disse ainda que seis profissionais de saúde liberianos infetados  com a febre hemorrágica estão a reagir positivamente ao soro experimental  norte-americano.  

A Libéria recebeu a 13 de agosto doses do soro experimental ZMapp, que  teve resultados positivos em dois norte-americanos contaminados, embora  não tenha permitido salvar um padre espanhol, que morreu a 12 de agosto.

Face à amplitude da epidemia, um comité de peritos convidado pela Organização  Mundial de Saúde (OMS) considerou "ético" permitir que medicamentos cuja  eficácia e efeitos secundários não estão medidos sejam utilizados "como  tratamento potencial ou medida preventiva". 

A Libéria é o país onde a epidemia do vírus Ébola já provocou o maior  número de mortos, 466 em 1.229 mortes registadas, segundo o último balanço  da OMS. 

 

Lusa

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .