sicnot

Perfil

Ébola

Ébola

Ébola

Duas vacinas experimentais contra o Ébola testadas na Libéria não mostram riscos

Duas vacinas experimentais contra o vírus do Ébola, objeto de um ensaio clínico de duas fases na Libéria envolvendo centenas de pessoas, aparentam não representar riscos, indicou na quinta-feira o Instituto Americano de Alergias e Doenças Infecciosas (NIAID).

© Eddie Keogh / Reuters

Os resultados vêm confirmar outros dois ensaios clínicos, com 20 pessoas cada um, realizados anteriormente nos Estados Unidos. As duas vacinas são VSV-EBOV, desenvolvida pelo laboratório britânico GlaxoSmithKline com o NIAID, e VSV-ZEBOV, desenvolvida pela Agência de Saúde Pública do Canadá, ainda que produzida pelos laboratórios NewLink Genetics e Merck.

Os testes continuam a aumentar o número de participantes, que devem chegar aos 1.500, com o objetivo de verificar a eficácia das vacinas.

Atualmente não há qualquer tratamento ou vacina autorizada contra o Ébola e a Organização Mundial de Saúde deu luz verde para acelerar os ensaios clínicos de possíveis vacinas.

Desde o início de 2014, mais de 10.000 pessoas morreram na África Ocidental, a maioria na Libéria, Serra Leoa e Guiné Conacri.

Lusa

  • Avião cruza-se com drone a 900 metros de altitude
    2:01
  • Naufrágio na Colômbia registado em vídeo
    2:11
  • PSP descentraliza a regularização de armas
    3:55

    País

    A PSP de Bragança percorreu os 12 concelhos do distrito ao encontro dos proprietários de armas com vista à sua regularização. A iniciativa, que pretende evitar a deslocação das pessoas à capital de distrito, teve uma forte adesão.

  • O último adeus a Miguel Beleza

    País

    O velório do economista e ex-ministro das Finanças realiza-se esta segunda-feira na Igreja do Campo Grande, em Lisboa, a partir das 18h00.

  • Trump quebra tradição da Casa Branca com 20 anos

    Mundo

    Donald Trump decidiu não fazer um jantar de celebração pelo fim do Ramadão, o mês em que os muçulmanos cumprem jejum entre o nascer e o pôr do sol. O Presidente dos Estados Unidos quebrou a tradição da Casa Branca, pela primeira vez em 20 anos.