sicnot

Perfil

Ébola

Ébola

Ébola

OMS assume ter tido resposta "lenta e inadequada" contra Ébola

A OMS assumiu hoje que a sua resposta à epidemia do Ébola foi "lenta e inadequada" e que não foi "suficientemente agressiva" para evitar as 10.600 mortes, ocorridas nos países africanos mais afetados, Guiné-Conacri, Libéria e Serra Leoa.

Laboratório que Portugal vai instalar na Guiné-Bissau deteta vírus do ébola em cinco horas.

Laboratório que Portugal vai instalar na Guiné-Bissau deteta vírus do ébola em cinco horas.

© Baz Ratner / Reuters

"A resposta inicial da OMS (ao surto de Ébola) foi lenta e inadequada, não fomos suficientemente agressivos para alertar o mundo, a nossa capacidade de ação rápida foi limitada, não trabalhamos corretamente com os nossos parceiros, não comunicamos adequadamente, e houve confusão sobre papéis e responsabilidades dentro da organização", refere um documento da Organização Mundial da Saúde (OMS).

De acordo com a EFE, a agência da ONU assumiu este posicionamento numa nota assinada pela diretora geral, Margaret Chan, em que afirma que, "face às lições apreendidas", se compromete a "reformar a OMS" para dar uma melhor resposta às futuras emergências humanitárias.

De acordo com o comunicado, a responsável pela agência de saúde das Nações Unidas reconheceu que a sua instituição não teve suficientemente atenção aos aspetos culturais da região onde ocorreu o surto.

"Um obstáculo significativo a uma resposta adequada foi o relacionamento impróprio com as famílias e as comunidades afetadas", refere o texto.

Na África Ocidental, a região mais atingida pelo surto, é tradicional cuidar-se dos doentes em casa e lavar e abraçar o cadáver, mas estas práticas multiplicam a infeção porque o vírus é transmitido através de fluídos corporais, e aumenta à medida que a doença progride.

Para evitar que casos de género se repitam, a OMS assegurou que vai trabalhar com o novo organismo criado, que pretende integrar equipas médicas devidamente qualificadas em todo o mundo prontas para intervir em caso de emergências graves, tais como epidemias.


Lusa
  • Primeiro-ministro hoje na cidade da Praia 

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, está hoje em Cabo Verde para a a IV cimeira bilateral entre Portugal e aquele país africano, aproveitando a passagem pela cidade da Praia para inaugurar a escola portuguesa.

  • Deputados britânicos debatem hoje petição que desvaloriza visita de Donald Trump

    Mundo

    Os deputados britânicos debatem hoje uma petição que reclama que a futura visita de Estado do Presidente norte-americano, Donald Trump, seja reduzida a uma visita oficial, enquanto dezenas de milhares de pessoas se manifestam sobre o mesmo assunto. Dezenas de milhares de pessoas são esperadas hoje nas ruas de várias cidades do Reino Unido, em protestos organizados para coincidir com a discussão no parlamento (na Câmara dos Comuns) de uma petição 'online' que já tem quase dois milhões de subscritores.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Matteo Renzi demite-se da liderança do Partido Democrático

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro italiano Matteo Renzi demitiu-se hoje da liderança do Partido Democrata (PD), uma decisão que faz parte de uma estratégia para retomar o controlo da formação de centro-esquerda, onde uma minoria mais à esquerda ameaça cindir-se.