sicnot

Perfil

Ébola

Ébola

Ébola

OMS assume ter tido resposta "lenta e inadequada" contra Ébola

A OMS assumiu hoje que a sua resposta à epidemia do Ébola foi "lenta e inadequada" e que não foi "suficientemente agressiva" para evitar as 10.600 mortes, ocorridas nos países africanos mais afetados, Guiné-Conacri, Libéria e Serra Leoa.

Laboratório que Portugal vai instalar na Guiné-Bissau deteta vírus do ébola em cinco horas.

Laboratório que Portugal vai instalar na Guiné-Bissau deteta vírus do ébola em cinco horas.

© Baz Ratner / Reuters

"A resposta inicial da OMS (ao surto de Ébola) foi lenta e inadequada, não fomos suficientemente agressivos para alertar o mundo, a nossa capacidade de ação rápida foi limitada, não trabalhamos corretamente com os nossos parceiros, não comunicamos adequadamente, e houve confusão sobre papéis e responsabilidades dentro da organização", refere um documento da Organização Mundial da Saúde (OMS).

De acordo com a EFE, a agência da ONU assumiu este posicionamento numa nota assinada pela diretora geral, Margaret Chan, em que afirma que, "face às lições apreendidas", se compromete a "reformar a OMS" para dar uma melhor resposta às futuras emergências humanitárias.

De acordo com o comunicado, a responsável pela agência de saúde das Nações Unidas reconheceu que a sua instituição não teve suficientemente atenção aos aspetos culturais da região onde ocorreu o surto.

"Um obstáculo significativo a uma resposta adequada foi o relacionamento impróprio com as famílias e as comunidades afetadas", refere o texto.

Na África Ocidental, a região mais atingida pelo surto, é tradicional cuidar-se dos doentes em casa e lavar e abraçar o cadáver, mas estas práticas multiplicam a infeção porque o vírus é transmitido através de fluídos corporais, e aumenta à medida que a doença progride.

Para evitar que casos de género se repitam, a OMS assegurou que vai trabalhar com o novo organismo criado, que pretende integrar equipas médicas devidamente qualificadas em todo o mundo prontas para intervir em caso de emergências graves, tais como epidemias.


Lusa
  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.