sicnot

Perfil

Ébola

Ébola

Ébola

Ébola contaminou mais de 26 mil pessoas, das quais morreram 10.823

O vírus Ébola contaminou mais de 26 mil pessoas desde o início da epidemia, há 16 meses, das quais 10.823 morreram, informou a Organização Mundial de Saúde (OMS) na quarta-feira.

No total, a doença foi contraída por 26.079 pessoas nos últimos 16 meses, as quais morreram 10.823, na sua quase totalidade na Guiné-Conacri, Libéria e Serra Leoa, os três países mais afetados pela epidemia na África Ocidental. (Arquivo)

No total, a doença foi contraída por 26.079 pessoas nos últimos 16 meses, as quais morreram 10.823, na sua quase totalidade na Guiné-Conacri, Libéria e Serra Leoa, os três países mais afetados pela epidemia na África Ocidental. (Arquivo)

© Reuters Staff / Reuters

A OMS sublinhou também que a redução do número de casos confirmados parecia ter estagnado e apelou a mais esforços para interromper definitivamente a transmissão do vírus. 

No total, a doença foi contraída por 26.079 pessoas nos últimos 16 meses, as quais morreram 10.823, na sua quase totalidade na Guiné-Conacri, Libéria e Serra Leoa, os três países mais afetados pela epidemia na África Ocidental. 

Na semana anterior a 19 de abril, foram confirmados 33 novos casos, 21 na Guiné-Conacri e 12 na Serra Leoa.

Na semana precedente tinham sido confirmados 37 novos casos, contra 30 na anterior. 

"A descida no número de casos confirmados foi interrompida nas últimas três semanas", destacou a OMNS, no seu último balanço.

"Para acelerar o declínio da epidemia e atingir zero casos, vai ser preciso um empenho mais firme da comunidade internacional, melhorar a investigação dos contactos e a despistagem precoce", acrescentou a organização. 
Lusa
  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.