sicnot

Perfil

Ébola

Ébola

Ébola

Descoberto vírus do Ébola no olho de um médico dois meses após cura

Foi detetado o vírus do Ébola no olho de um médico que tinha sido infectado na Serra Leoa e declarado curado da doença há dois meses, noticiou hoje o New England Journal of Medicine.

REUTER

Trata-se do médico norte-americano Ian Crozier, de 43 anos, que tinha sido declarado infetado pelo Ébola em setembro de 2014, quando estava a trabalhar para a Organização Mundial da Saúde (OMS) na Serra Leoa.

O médico foi repatriado para os Estados Unidos, onde foi tratado no Hospital Emory, em Atlanta (Geórgia), numa unidade especial.

Ian Crozier teve alta em outubro e desde então não teve mais sinais do vírus. 

Mas, dois meses mais tarde, teve uma inflamação no olho esquerdo, no qual foi detetada pressão intraocular bastante elevada, provocando inchaço e graves problemas de visão. 

O médico regressou ao mesmo hospital, onde o oftalmologista Steven Yeh detetou a presença do vírus na análise do fluído recolhido na câmara anterior do olho. Todavia, o vírus não foi detetado nas lágrimas e fora dos tecidos oculares.

Ele não apresentava perigo de infeção para os outros. Mas, sublinhou Yeh, este caso demonstra que os sobreviventes da infeção devem ser seguidos para verificar uma possível contaminação ocular. 

Esta infeção provocou uma uveíte, uma inflamação do interior do olho. 

Na sequência de uma perda importante da visão, a íris do olho mudou de cor, passando de azul a verde, dez dias depois do início dos sintomas. 

Após tratamento intensivo com diferentes medicamentos, incluindo um corticosteroide, o médico começou a recuperar a visão perdida, mas não a recuperou totalmente até à data. O olho recuperou entretanto a cor normal. 

Casos de uveíte já tinham sido relatados em sobreviventes de epidemias anteriores de Ébola, dizem os autores do estudo no New England Journal of Medicine. Mas estes casos foram raros. 


Lusa
  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.