sicnot

Perfil

Ébola

Ébola

Ébola

Peritos independentes denunciam atrasos e falhas da OMS no combate ao Ébola

Um grupo de peritos independentes mandatados pelas Nações Unidas denunciou esta segunda-feira, num relatório, os atrasos e as falhas da Organização Mundial de Saúde (OMS) na gestão da "epidemia sem precedentes" do vírus do Ébola.

A OMS declarou a epidemia de Ébola uma emergência internacional de saúde pública só a 8 de agosto. (Arquivo)

A OMS declarou a epidemia de Ébola uma emergência internacional de saúde pública só a 8 de agosto. (Arquivo)

© Reuters Staff / Reuters

O grupo "não entende até hoje porque os alertas precoces lançados entre maio e junho de 2014 não obtiveram uma resposta adequada e séria", indicou o relatório, cuja versão preliminar foi hoje divulgada. O relatório final será publicado em meados de junho. 

A OMS declarou a epidemia de Ébola uma emergência internacional de saúde pública só a 8 de agosto. 

A epidemia do vírus Ébola atingiu 26 mil pessoas, sobretudo na África ocidental, provocando mais de 10.900 mortos na Guiné-Conacri, Libéria e Serra Leoa, os três países mais afetados pelo surto. 

Em março passado, a ONU pediu a um grupo de peritos independentes que analisasse o modo de atuação da OMS e examinasse as eventuais razões das disfunções da agência internacional. 

"Existe um forte consenso de que a OMS não tem uma capacidade e uma cultura suficientemente fortes para realizar operações de urgência", denunciou o documento. 

"Existiram graves lacunas nos contactos com as comunidades locais durante os primeiros meses da epidemia", apontou o grupo de peritos, presidido pela britânica Barbara Stocking, antiga presidente da organização não-governamental britânica Oxfam (2001-2013).

A OMS tem uma estrutura frágil para responder a situações de emergência, segundo os peritos independentes, que pedem à agência das Nações Unidas para resolver rapidamente esta situação.

Uma das principais recomendações do grupo de peritos passa pelo reforço da capacidade operacional da OMS. Nesse sentido, os Estados-membros da organização são convidados a criar um fundo de urgência, mas também uma força internacional de intervenção sanitária que possa ser mobilizada de imediato.

A agência das Nações Unidas também deve criar uma equipa pluridisciplinar para responder a situações de urgência. Uma estrutura de comando, com uma liderança clara e única no seio da OMS, também deve ser criada o mais breve possível.

Os especialistas recomendam que o Conselho executivo da OMS tome uma decisão sobre estas matérias em janeiro de 2016.

Ainda sobre a reação da OMS à crise do Ébola, o relatório apontou várias razões que acabaram por ditar atrasos: má compreensão do contexto da epidemia, informações pouco fiáveis da situação no terreno, negociações difíceis com os países afetados e lacunas na estratégia de comunicação da organização.

O documento mencionou igualmente a fragilidade dos sistemas de saúde dos três países mais afetados, a desconfiança das populações locais, a permeabilidade das fronteiras e uma forte mobilidade.

"É surpreendente que foi preciso esperar até agosto ou setembro para reconhecer que a transmissão do Ébola não estaria sob controlo se não fossem aplicadas em simultâneo medidas de vigilância, de mobilização da população e de distribuição de cuidados", sublinhou o mesmo relatório.

A resposta internacional ao surto só ganhou impulso em setembro, quando toda a rede das Nações Unidas reagiu e uma nova estrutura foi criada, a Missão de Resposta de Emergência da ONU para o Ebola (UNMEER), destacou ainda o grupo de especialistas.

Este relatório preliminar será debatido na próxima semana durante a Assembleia Mundial da Saúde, a decorrer entre 18 e 26 de maio em Genebra, Suíça.

O recente surto de Ébola foi o mais grave e prolongado desde que o vírus foi descoberto, em 1976.
Lusa
  • Incêndio em Lisboa faz um ferido
    4:13

    País

    Um incêndio de grandes dimensões deflagrou esta segunda-feira numa loja, na Avenida de Berlim, em Lisboa. O repórter André Palma esteve no local, onde ouviu o comandante dos Sapadores Bombeiros de Lisboa. Pedro Patricio confirmou que foi assistida uma pessoa por inalação de fumos e, por questões de segurança, os veículos estacionados perto do local foram retirados, assim como foi pedido às pessoas dos prédios à volta que saíssem por causa do fumo. O incêndio foi dominado.

  • "Rui Rio avisou que vinha para partir loiça dentro do PSD"
    3:00
  • Hugo Soares não deverá continuar como líder parlamentar do PSD
    3:17

    País

    Rui Rio não deverá manter Hugo Soares na liderança parlamentar do PSD. Fonte próxima do novo presidente social-democrata diz à SIC que dificilmente o líder da bancada poderá continuar no cargo. Aumenta a pressão para que Hugo Soares ponha o lugar à disposição e já começam a surgir nomes para o substituir.

  • Suspeita de militantes fantasma no PSD
    4:22

    País

    Perante a suspeita de militantes fantasma e de caciquismo, Salvador Malheiro, diretor de campanha de Rui Rio, diz que o ato eleitoral foi devidamente fiscalizado. Uma investigação do jornal Expresso encontrou oito filiados numa morada que não existe e 17 militantes com morada numa casa onde vivem nove pessoas e nenhuma é do PSD. A associação cívica Transparência e Integridade fala num vazio legal e em falta de regulamentação.

  • Cristiano Ronaldo está insatisfeito com o salário e pode sair do Real Madrid
    2:38