sicnot

Perfil

Ébola

Ébola

Ébola

Peritos independentes denunciam atrasos e falhas da OMS no combate ao Ébola

Um grupo de peritos independentes mandatados pelas Nações Unidas denunciou esta segunda-feira, num relatório, os atrasos e as falhas da Organização Mundial de Saúde (OMS) na gestão da "epidemia sem precedentes" do vírus do Ébola.

A OMS declarou a epidemia de Ébola uma emergência internacional de saúde pública só a 8 de agosto. (Arquivo)

A OMS declarou a epidemia de Ébola uma emergência internacional de saúde pública só a 8 de agosto. (Arquivo)

© Reuters Staff / Reuters

O grupo "não entende até hoje porque os alertas precoces lançados entre maio e junho de 2014 não obtiveram uma resposta adequada e séria", indicou o relatório, cuja versão preliminar foi hoje divulgada. O relatório final será publicado em meados de junho. 

A OMS declarou a epidemia de Ébola uma emergência internacional de saúde pública só a 8 de agosto. 

A epidemia do vírus Ébola atingiu 26 mil pessoas, sobretudo na África ocidental, provocando mais de 10.900 mortos na Guiné-Conacri, Libéria e Serra Leoa, os três países mais afetados pelo surto. 

Em março passado, a ONU pediu a um grupo de peritos independentes que analisasse o modo de atuação da OMS e examinasse as eventuais razões das disfunções da agência internacional. 

"Existe um forte consenso de que a OMS não tem uma capacidade e uma cultura suficientemente fortes para realizar operações de urgência", denunciou o documento. 

"Existiram graves lacunas nos contactos com as comunidades locais durante os primeiros meses da epidemia", apontou o grupo de peritos, presidido pela britânica Barbara Stocking, antiga presidente da organização não-governamental britânica Oxfam (2001-2013).

A OMS tem uma estrutura frágil para responder a situações de emergência, segundo os peritos independentes, que pedem à agência das Nações Unidas para resolver rapidamente esta situação.

Uma das principais recomendações do grupo de peritos passa pelo reforço da capacidade operacional da OMS. Nesse sentido, os Estados-membros da organização são convidados a criar um fundo de urgência, mas também uma força internacional de intervenção sanitária que possa ser mobilizada de imediato.

A agência das Nações Unidas também deve criar uma equipa pluridisciplinar para responder a situações de urgência. Uma estrutura de comando, com uma liderança clara e única no seio da OMS, também deve ser criada o mais breve possível.

Os especialistas recomendam que o Conselho executivo da OMS tome uma decisão sobre estas matérias em janeiro de 2016.

Ainda sobre a reação da OMS à crise do Ébola, o relatório apontou várias razões que acabaram por ditar atrasos: má compreensão do contexto da epidemia, informações pouco fiáveis da situação no terreno, negociações difíceis com os países afetados e lacunas na estratégia de comunicação da organização.

O documento mencionou igualmente a fragilidade dos sistemas de saúde dos três países mais afetados, a desconfiança das populações locais, a permeabilidade das fronteiras e uma forte mobilidade.

"É surpreendente que foi preciso esperar até agosto ou setembro para reconhecer que a transmissão do Ébola não estaria sob controlo se não fossem aplicadas em simultâneo medidas de vigilância, de mobilização da população e de distribuição de cuidados", sublinhou o mesmo relatório.

A resposta internacional ao surto só ganhou impulso em setembro, quando toda a rede das Nações Unidas reagiu e uma nova estrutura foi criada, a Missão de Resposta de Emergência da ONU para o Ebola (UNMEER), destacou ainda o grupo de especialistas.

Este relatório preliminar será debatido na próxima semana durante a Assembleia Mundial da Saúde, a decorrer entre 18 e 26 de maio em Genebra, Suíça.

O recente surto de Ébola foi o mais grave e prolongado desde que o vírus foi descoberto, em 1976.
Lusa
  • Milhares protestam na Catalunha contra Madrid
    1:45

    Mundo

    O Governo de Madrid mostrou-se disposto a dar mais dinheiro e autonomia financeira à Catalunha, se o Governo Regional suspender o referendo independentista. A 10 dias da consulta popular, a tensão é explosiva, com protestos nas ruas, detenções e confrontos com as autoridades.

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • #SICnaCampanha

    Autárquicas 2017

    As caravanas estão na estrada e os repórteres da SIC também. Acompanhe aqui os bastidores das autárquicas.

    Live blog

  • PSD não está a lutar "pela sobrevivência" em Lisboa
    3:29

    Autárquicas 2017

    Mais uma volta de norte a sul do país com a campanha dos líderes políticos para as próximas autárquicas. Ainda não acabou a guerra Bloco de Esquerda-CDU. A secretária-geral adjunta do PS bem se esforça, mas não consegue apoio nas ruas como António Costa. Pedro Passos Coelho voltou a aparecer ao lado de Teresa Leal Coelho, mas não quis comentar prováveis resultados na capital.

  • PCP e PS desvalorizam estudo de economistas com alternativa à do Governo
    1:09

    Orçamento do Estado 2018

    Um grupo de economistas, incluindo o deputado independente eleito pelo PS Paulo Trigo Pereira, publicou um estudo em que defende uma proposta alternativa à apresentada pelo Governo. O PCP e o PS desvalorizaram a opinião dos economistas e o Bloco de Esquerda disse que a consolidação orçamental poderia ser mais lenta. Já o PSD e o CDS aplaudem a proposta e defendem que o estudo apresentado é um aviso ao desnorte do Governo. 

  • Complexo Agroindustrial do Cachão abandonado e exposto à poluição
    2:03
  • Família Portugal Ramos
    15:01

    As Famílias Vintage regressaram esta quinta-feira, com uma viagem ao Alentejo. Foi a partir desta região que João Portugal Ramos conquistou um lugar entre os grandes do setor. Desde há 25 anos a vindimar em seu nome, o enólogo produz seis milhões de litros de vinho por ano.

  • Se pedir ao seu cão para ir buscar uma garrafa de vinho ele vai?
    0:49

    País

    Há 25 anos a vindimar no Alentejo, o enólogo João Portugal Ramos produz seis milhões de litros de vinho por ano. Em Estremoz comprou casa e terra. Iniciou a plantação de vinhas próprias e a construção de uma adega. Um espaço que conhece como as palmas da mão. Ele e um amigo muito especial.

  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Morreu a mulher mais rica do mundo

    Mundo

    Liliane Bettencourt, herdeira do grupo de cosméticos L'Oréal e a mulher mais rica do mundo, segundo a revista Forbes, morreu na quarta-feira à noite aos 94 anos, anunciou a família.

  • Deputado do Canadá pede desculpa por chamar "Barbie do Clima" a ministra

    Mundo

    O deputado da província de Saskatchewan, no Canadá, chamou na terça-feira a ministra do Ambiente de "Barbie do Clima". Catherine McKenna não gostou de ser apelidada desta forma e acusou Gerry Ritz de ter um comportamento sexista. Após a crítica, foram precisos apenas 20 minutos para o deputado fazer um pedido de desculpas à ministra.

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC