sicnot

Perfil

Ébola

Ébola

Ébola

Peritos independentes denunciam atrasos e falhas da OMS no combate ao Ébola

Um grupo de peritos independentes mandatados pelas Nações Unidas denunciou esta segunda-feira, num relatório, os atrasos e as falhas da Organização Mundial de Saúde (OMS) na gestão da "epidemia sem precedentes" do vírus do Ébola.

A OMS declarou a epidemia de Ébola uma emergência internacional de saúde pública só a 8 de agosto. (Arquivo)

A OMS declarou a epidemia de Ébola uma emergência internacional de saúde pública só a 8 de agosto. (Arquivo)

© Reuters Staff / Reuters

O grupo "não entende até hoje porque os alertas precoces lançados entre maio e junho de 2014 não obtiveram uma resposta adequada e séria", indicou o relatório, cuja versão preliminar foi hoje divulgada. O relatório final será publicado em meados de junho. 

A OMS declarou a epidemia de Ébola uma emergência internacional de saúde pública só a 8 de agosto. 

A epidemia do vírus Ébola atingiu 26 mil pessoas, sobretudo na África ocidental, provocando mais de 10.900 mortos na Guiné-Conacri, Libéria e Serra Leoa, os três países mais afetados pelo surto. 

Em março passado, a ONU pediu a um grupo de peritos independentes que analisasse o modo de atuação da OMS e examinasse as eventuais razões das disfunções da agência internacional. 

"Existe um forte consenso de que a OMS não tem uma capacidade e uma cultura suficientemente fortes para realizar operações de urgência", denunciou o documento. 

"Existiram graves lacunas nos contactos com as comunidades locais durante os primeiros meses da epidemia", apontou o grupo de peritos, presidido pela britânica Barbara Stocking, antiga presidente da organização não-governamental britânica Oxfam (2001-2013).

A OMS tem uma estrutura frágil para responder a situações de emergência, segundo os peritos independentes, que pedem à agência das Nações Unidas para resolver rapidamente esta situação.

Uma das principais recomendações do grupo de peritos passa pelo reforço da capacidade operacional da OMS. Nesse sentido, os Estados-membros da organização são convidados a criar um fundo de urgência, mas também uma força internacional de intervenção sanitária que possa ser mobilizada de imediato.

A agência das Nações Unidas também deve criar uma equipa pluridisciplinar para responder a situações de urgência. Uma estrutura de comando, com uma liderança clara e única no seio da OMS, também deve ser criada o mais breve possível.

Os especialistas recomendam que o Conselho executivo da OMS tome uma decisão sobre estas matérias em janeiro de 2016.

Ainda sobre a reação da OMS à crise do Ébola, o relatório apontou várias razões que acabaram por ditar atrasos: má compreensão do contexto da epidemia, informações pouco fiáveis da situação no terreno, negociações difíceis com os países afetados e lacunas na estratégia de comunicação da organização.

O documento mencionou igualmente a fragilidade dos sistemas de saúde dos três países mais afetados, a desconfiança das populações locais, a permeabilidade das fronteiras e uma forte mobilidade.

"É surpreendente que foi preciso esperar até agosto ou setembro para reconhecer que a transmissão do Ébola não estaria sob controlo se não fossem aplicadas em simultâneo medidas de vigilância, de mobilização da população e de distribuição de cuidados", sublinhou o mesmo relatório.

A resposta internacional ao surto só ganhou impulso em setembro, quando toda a rede das Nações Unidas reagiu e uma nova estrutura foi criada, a Missão de Resposta de Emergência da ONU para o Ebola (UNMEER), destacou ainda o grupo de especialistas.

Este relatório preliminar será debatido na próxima semana durante a Assembleia Mundial da Saúde, a decorrer entre 18 e 26 de maio em Genebra, Suíça.

O recente surto de Ébola foi o mais grave e prolongado desde que o vírus foi descoberto, em 1976.
Lusa
  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.