sicnot

Perfil

Ébola

Ébola

Ébola

Agitação civil na Guiné-Conacri coloca resposta ao Ébola em risco

O chefe da Missão das Nações Unidas de Resposta à Emergência do Ébola (UNMEER) na Guiné-Conacri afirmou, esta segunda-feira, que a violência registada no oeste do país "colocou em causa" o combate ao vírus mortal.

© Reuters Staff / Reuters

Cerca de 60 pessoas foram detidas na sequência de uma vaga de protestos na semana passada, de acordo com as autoridades e moradores.

Em comunicado, Abdou Dieng advertiu que esses incidentes "colocaram em risco o tratamento das pessoas com Ébola" e apelou ao apoio e colaboração de todos.

Na semana passada, após a confirmação de pelo menos cinco novos casos no norte da Guiné-Conacri, a ministra da Saúde da Guiné-Bissau, Valentina Mendes, alertou a população para o facto de o Ébola "estar perto", dado que a doença foi detetada em localidades da Guiné-Conacri próximas da fronteira.

Segundo os mais recentes dados, foram registados 27.135 casos de Ébola, dos quais 11.145 se revelaram mortais, sobretudo na Guiné-Conacri, Serra Leoa e vizinha Libéria, declarada livre da epidemia em 09 de maio.




Lusa
  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.