sicnot

Perfil

Ébola

Ébola

Ébola

Cocktail com anticorpos protegeu macacos do vírus Ébola

Um cocktail com dois anticorpos baseado numa terapia experimental para o Ébola protegeu completamente macacos da infeção letal, revela um novo estudo hoje publicado.

© Thomas Peter / Reuters

Em causa esteve a utilização de apenas dois anticorpos monoclonais em vez dos três usados na formulação original da terapia, produzidos em células de mamífero e não em células de plantas, o que permitiu melhorar a segurança, simplificar a produção e acelerar a aprovação da terapia, dizem os cientistas, cujo estudo foi publicado na revista Science Translational Medicine.

A epidemia de Ébola na África ocidental é a maior da doença desde que há registos, o que torna urgente a criação de medicamentos e vacinas para aquela infeção.

O estudo partiu de ensaios clínicos, em curso na África ocidental, para o medicamento ZMapp, uma combinação de três anticorpos produzida em células de plantas.

O medicamento foi administrado, ao abrigo de um programa de uso compassivo, a trabalhadores humanitários estrangeiros infetados com o Ébola na África ocidental. Alguns dos pacientes sobreviveram à infeção.

A equipa do cientista Xiangguo Qiu, da Universidade de Manitoba, no Canadá, desenvolveu uma formulação do ZMapp que usou dois dos três anticorpos, produzidos em células modificadas de ovários de hamsters chinesas.

Depois, os investigadores manipularam os anticorpos para melhor refletirem os anticorpos humanos.

Numa experiência com macacos, o cocktail com dois anticorpos protegeu todos os três animais três dias após a infeção com a estirpe Makona do vírus Ébola, responsável pelo surto atual.

Em contraste, uma formulação semelhante de ZMapp produzida em células de plantas apenas protegeu dois dos macacos.

"Tanto quanto sabemos, este é o primeiro estudo a demonstrar que um cocktail com dois anticorpos pode conferir uma proteção de 100% em primatas não humanos infetados com o vírus do Ébola", escrevem os autores do estudo.

A epidemia de Ébola na África Ocidental afetou 28.637 pessoas e vitimou mortalmente 11.315 delas.

Iniciada em dezembro de 2013 na Guiné-Conacri, a epidemia propagou-se depois aos vizinhos Libéria e Serra Leoa, três países que concentraram 99% dos casos, bem como à Nigéria e Mali.

A Libéria foi o primeiro país a ser declarado "livre da transmissão" de Ébola, em maio de 2015, enquanto na Serra Leoa tal aconteceu a 07 de novembro desse ano. Na Guiné-Conacri igual anúncio foi feito a 29 de dezembro.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.