sicnot

Perfil

Ébola

Ébola

Ébola

Novos casos de ébola resultam de transmissão sexual e podem reacender epidemia

O aparecimento de novos casos de Ébola deve-se a transmissão sexual porque alguns sobreviventes mantêm o vírus no sémen durante meses, lembrou hoje um especialista, alertando que estes casos podem reacender a epidemia.

© Glenn Duda / Reuters

"Isto é complicado porque a partir do momento em que há uma pessoa que deflagra a doença, pode recomeçar a transmissão por meios clássicos", nomeadamente o contacto direto entre pessoas ou com excreções, disse à Lusa o infeciologista Jaime Nina, do Instituto de Higiene e Medicina Tropical.

Numa entrevista telefónica à Lusa no dia em que a Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou o surgimento de dois novos casos confirmados de Ébola na Guiné-Conacri, o especialista admitiu tratar-se de transmissão por via sexual.

O meio de transmissão em 99% dos casos de Ébola é por contacto direto entre pessoas ou com excreções, sangue, fezes diarreicas ou vómitos.

No entanto, descobriu-se em 2015 que "alguns homens ficam com o vírus naquilo que é chamado um santuário - o trato genital masculino", explicou o especialista.

Embora não esteja ainda completamente definida qual a estrutura anatómica que alberga o vírus durante longos períodos - no caso mais extremo foi detetado 199 dias após os primeiros sintomas - certo é que esses homens podem transmitir a doença por via sexual.

"Os casos [de Ébola] que tem havido [desde o fim da epidemia] têm sido exaustivamente estudados e todos eles se enquadram em transmissão por via sexual, meses após um sobrevivente ter tido alta", disse o especialista.

"Quanto tempo isto vai durar, ninguém sabe", afirmou.

O perigo é que um novo caso da doença pode reacender a epidemia, admitiu Jaime Nina, sublinhando no entanto que os países onde têm surgido os novos casos, os mais afetados pelo Ébola, são aqueles que estão mais alerta para o risco de reacendimentos.

"Se há alguém que tem experiência de diagnosticar e tratar Ébola neste momento são eles, portanto neste momento é difícil um caso suspeito passar despercebido", afirmou.

Mais grave é se um sobrevivente que tenha o vírus viajar para um país diferente e aí infetar alguém, apanhando "completamente de surpresa" outro país.

Jaime Nina exemplificou com o caso de um médico norte-americano que foi infetado na África Ocidental e sobreviveu.

"Meses depois, 'just in case', fez uma análise ao esperma e tinha vírus viáveis", afirmou.

Embora o Ébola seja conhecido desde 1976, só em 2015 se descobriu que alguns homens mantêm o vírus ativo no sémen, podendo transmitir a doença meses depois de se terem curado.

"Isto nunca se tinha detetado antes porque os surtos eram pequenos e como se trata de um meio de transmissão raro, nenhum surto foi suficientemente longo para se detetar", explicou Jaime Nina.

A epidemia de Ébola na África Ocidental, a pior de que há memória, afetou 28.637 pessoas e matou 11.315 delas.

Iniciada em dezembro de 2013 na Guiné-Conacri, a epidemia propagou-se depois aos vizinhos Libéria e Serra Leoa, três países que concentraram 99% dos casos, bem como à Nigéria e Mali.

A Serra Leoa foi inicialmente considerada livre da transmissão de Ébola a 07 de novembro, a Guiné-Conacri a 29 de dezembro e a Libéria a 14 de janeiro.

No entanto, desde então já foram detetados novos casos na Serra Leoa e hoje a OMS confirmou dois novos casos na Guiné-Conacri.

A OMS avisa que os três países mais afetados pela epidemia de Ébola ainda estão em risco de novos focos, sobretudo devido à persistência do vírus em alguns sobreviventes, pelo que devem manter uma vigilância forte e uma capacidade de resposta de emergência.

Lusa

  • "Fiz coisas de que me envergonho"
    2:31
  • Mulheres heterossexuais têm menos orgasmos que as lésbicas

    Mundo

    As mulheres heterossexuais têm menos orgasmos que as lésbicas ou bissexuais, ou mesmo que todos os homens hetero, homo ou bissexuais. O estudo que dá conta desta realidade revela também o que fazer para aumentar as hipóteses de uma mulher alcançar um orgasmo.

  • Portugal é o segundo país da Europa com mais emigrantes
    1:39

    País

    São 2,3 milhões os portugueses que vivem no estrangeiro, ou seja, 22% da população. O último relatório do Observatório da Emigração relativo a 2015 mostra que se manteve o mesmo número de saídas de Portugal para o estrangeiro registadas no pico atingido em 2013: acima das 110 mil por ano. O Reino Unido é o principal país de destino.

  • Descoberta produção de canábis em abrigo nuclear 

    Mundo

    A polícia britânica descobriu, no sul de Inglaterra, um antigo abrigo nuclear subterrâneo adaptado à produção de canábis em grande escala. A operação levou à detenção de cinco homens e um adolescente de 15 anos. Foram também apreendidas milhares de plantas de canábis.

  • Carnaval na Almirante Reis
    2:39

    País

    Lisboa também celebra o Carnaval e esta manhã mais de três mil crianças participaram num desfile pela Avenida Almirante Reis, alunas de escolas públicas e privadas de 24 nacionalidades. Na freguesia de Arroios vivem estrangeiros de 79 nacionalidades.