sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Brasileiro acusado de ligação ao "Estado Islâmico" em prisão preventiva pelo menos um ano

O brasileiro Kaique Luan Ribeiro Guimarães, acusado de ligação com o grupo terrorista "Estado Islâmico" (EI), ficará em prisão preventiva em Espanha pelo menos um ano até ser levado a julgamento, divulgou esta quarta-feira a imprensa brasileira. 

O jovem brasileiro foi preso na Bulgária, em dezembro, pela Interpol, tendo sido posteriormente extraditado em janeiro para Espanha. (Arquivo)

O jovem brasileiro foi preso na Bulgária, em dezembro, pela Interpol, tendo sido posteriormente extraditado em janeiro para Espanha. (Arquivo)

© Hamad I Mohammed / Reuters

Esta previsão foi feita pelo responsável da acusação contra o jovem brasileiro, o procurador chefe da Audiência Nacional de Espanha, Javier Zaragoza, numa entrevista ao jornal Folha de São Paulo, realizada na terça-feira.

O jovem brasileiro foi preso na Bulgária, em dezembro, pela Interpol, tendo sido posteriormente extraditado em janeiro para Espanha.

Kaique Guimarães viajava de carro para a Síria, onde se uniria às frentes de batalha do EI, segundo a polícia da Catalunha, que manteve o jovem brasileiro sob investigação durante mais de seis meses.

Kaique Luan Ribeiro Guimarães, de 18 anos, responderá pelo crime de associação a organização terrorista perante a Audiência Nacional e poderá ser condenado até 12 anos de prisão.

O jovem está a ser mantido em prisão preventiva, sem direito à fiança, num complexo penitenciário na região de Castela e Leão.

Segundo a procuradoria espanhola, o brasileiro nega que tenha tido qualquer contacto com o Estado Islâmico.

Guimarães - que se converteu ao islamismo em Espanha, onde a sua família mora desde 2006 - alegou que viajava a turismo com dois amigos, que também estão presos.
Lusa
  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55

    Football Leaks

    Com o escândalo dos agentes de futebol a dar que falar, o Expresso revela este sábado os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa. O nome da empresa de que é administrador, a Energy Soccer, surge na investigação em transferências de jogadores que envolvem o Futebol Clube do Porto num conflito de interesses.

  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10