sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Estado Islâmico controla campo de refugiados palestinianos na Síria

Os rebeldes do Estado Islâmico tomaram de assalto o campo de refugiados palestinianos de Yarmuk, a sul de Damasco, na Síria. A notícia foi avançada pela Organização de Libertação da Palestina. Também já foi confirmada pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos. 

O campo de Yarmuk alberga atualmente 18 mil pessoas

O campo de Yarmuk alberga atualmente 18 mil pessoas

© Stringer . / Reuters

"Os combatentes do EI tomaram de assalto esta manhã o campo de Yarmuk e controlam a maior parte do campo", disse à agência noticiosa AFP Anouar Abdel Hadi, diretor dos assuntos políticos da Organização de Libertação da Palestina (OLP) na Síria, e enquanto "prosseguiam combates no interior do campo com grupos armados". 

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) também confirmou que o grupo extremista controlava uma "grande parte" do campo, após combates contra um grupo armado palestiniano hostil ao regime de Bachar al-Assad. Presume-se que os membros do EI se infiltraram no campo a partir da localidade rebelde de Hajar al-Aswad, situada nas proximidades. 

O campo de Yarmuk, o maior dos campos de refugiados palestinianos na Síria, albergava 160.000 sírios e palestinianos antes do início da guerra na Síria em 2011, contra apenas 18.000 pessoas atualmente. 

Em fevereiro de 2014, os grupos rebeldes sírios retiraram-se do campo na sequência de um acordo com organizações palestinianas armadas antirregime. 

Os habitantes enfrentam escassez de alimentos, água e medicamentos devido a um cerco quase total imposto há mais de um ano pelo regime de Damasco. 

O surgimento do grupo Estado Islâmico no conflito sírio complicou a situação no terreno. Para além de considerar o regime de Bachar al-Assad seu inimigo, também combate os restantes grupos rebeldes para tentar garantir o seu objetivo de hegemonia territorial. 

Lusa
  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26