sicnot

Perfil

Daesh

Estado Islâmico revela vídeo da destruição de Hatra

Estado Islâmico revela vídeo da destruição de Hatra

Um vídeo divulgado pelo Estado Islâmico revela a destruição da antiga cidade iraquiana de Hatra, levada a cabo pelo grupo no mês passado. A gravação publicada na internet mostra o assalto e destruição de artefactos arqueológicos milenares, como estátuas, arcos e pilares.

A cidade, declarada Património Mundial da Humanidade pela UNESCO e situada a 300 quilómetros de Bagdad, foi um dos recentes alvos dos jihadistas. 

O grupo extremista alega que a destruição é uma forma de combate à idolatria, proibida pelo profeta Maomé.

A ONU já pediu à comunidade internacional para travar estes crimes de guerra.
  • Da Al-Qaeda do Iraque ao Daesh

    Daesh

    Daesh é a mais recente denominação de um grupo radical islâmico (sunita) que pretende instituir um califado – um Estado dirigido por um único poder político e religioso regulamentado pela lei islâmica, a Sharia. Ainda limitado ao território conquistado à Síria e ao norte e oeste do Iraque, promete expandir-se e “quebrar as fronteiras” da Jordânia e do Líbano e “libertar” a Palestina. É liderado por Ibrahim Awad Ibrahim Ali al-Badri al-Samarrai, conhecido como Abu Bakr al-Baghdadi, desde 2010, altura em que se chamava Al-Qaeda do Iraque e depois Estado Islâmico do Iraque. Em abril de 2013 o nome do grupo foi alterado para Daesh - Estado Islâmico do Iraque e Levante (ISIL em português, ISIS em inglês), quando agrupou a Al-Qaeda do Iraque e um ramo dissidente do grupo sírio Frente al-Nusra, constituído para combater o Presidente sírio Bashar al-Assad. A designação Estado Islâmico é anunciada em Junho de 2014 com a instituição do autodenominado califado e al-Baghdadi é proclamado califa Ibrahim.

  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.