sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

EUA afirmam que Estado Islâmico perdeu 25% a 30% do território que controlava no Iraque

O grupo Estado Islâmico perdeu o controlo de "25 a 30%" do território que controlava no Iraque após os ataques aéreos lançados pela coligação internacional e uma ofensiva iraquiana, disse na segunda-feira o Pentágono. 

Combates entre o exército iraquiano e os jihadistas em Ramadi.

Combates entre o exército iraquiano e os jihadistas em Ramadi.

© STRINGER Iraq / Reuters

O grupo radical tomou o controlo de grandes áreas do norte e partes do oeste do país há alguns meses, na sequência de uma ofensiva e da derrota de unidades militares iraquianas. 

Meses após o lançamento de uma campanha de ataques aéreos pela coligação liderada pelos Estados Unidos, e mobilização das forças iraquianas, o controlo de partes do país pelo grupo estado islâmico está a diminuir, defendeu o Pentágono. 

"O estado islâmico está lentamente a ser forçado a recuar", disse o porta-voz Steve Warren.

"As forças iraquianas e os ataques aéreos da coligação têm, sem qualquer sombra de dúvida, infligido alguns danos ao estado islâmico", acrescentou. 

O território perdido pelo estado islâmico foi estimado entre 13.000 a 17.000 quilómetros quadrados, segundo Warren.

Desde agosto, a coligação liderada pelos Estados Unidos conduziu ataques aéreos contra 3.244 posições do estado islâmico: 1.879 no Iraque e 1.365 na Síria. Os Estados Unidos levaram a cabo 80% dos ataques, segundo o Pentágono. 



Lusa
  • Da Al-Qaeda do Iraque ao Daesh

    Daesh

    Daesh é a mais recente denominação de um grupo radical islâmico (sunita) que pretende instituir um califado – um Estado dirigido por um único poder político e religioso regulamentado pela lei islâmica, a Sharia. Ainda limitado ao território conquistado à Síria e ao norte e oeste do Iraque, promete expandir-se e “quebrar as fronteiras” da Jordânia e do Líbano e “libertar” a Palestina. É liderado por Ibrahim Awad Ibrahim Ali al-Badri al-Samarrai, conhecido como Abu Bakr al-Baghdadi, desde 2010, altura em que se chamava Al-Qaeda do Iraque e depois Estado Islâmico do Iraque. Em abril de 2013 o nome do grupo foi alterado para Daesh - Estado Islâmico do Iraque e Levante (ISIL em português, ISIS em inglês), quando agrupou a Al-Qaeda do Iraque e um ramo dissidente do grupo sírio Frente al-Nusra, constituído para combater o Presidente sírio Bashar al-Assad. A designação Estado Islâmico é anunciada em Junho de 2014 com a instituição do autodenominado califado e al-Baghdadi é proclamado califa Ibrahim.

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59