sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Militares portugueses que vão combater Estado Islâmico partem amanhã para o Iraque

Os 30 militares do Exército que vão para o Iraque colaborar no combate ao movimento extremista Estado Islâmico (EI) partem na quarta-feira do aeródromo de Figo Maduro, anunciou hoje o Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA).

Arquivo Lusa

Arquivo Lusa

Arquivo LUSA

O EMGFA informou que a missão do contingente nacional se insere na coligação internacional de combate ao EI e tem "duração prevista de um ano".

Os militares portugueses irão apoiar a formação e treino das forças armadas iraquianas, continua a nota disponível na página da internet do EMGFA.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português Rui Machete confirmou no passado dia 21 de abril esta operação, mas a decisão sobre o envio de militares portugueses para o Iraque foi tomada na reunião de 16 de dezembro de 2014 do Conselho Superior de Defesa Nacional.

Os militares partem do aeródromo de Figo Maduro (Aeródromo de Trânsito nº1), pelas 08:00, a bordo do avião militar C-130 com destino à capital iraquiana Bagdade.

Na partida estarão presentes o comandante das Forças Terrestres Tenente-General António Xavier Lobato de Faria Menezes, e o chefe do Estado-Maior do Comando Conjunto para as Operações Militares Vice-Almirante Fernando Manuel de Macedo Pires da Cunha.

Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.