sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Militares portugueses partem hoje para o Iraque para combater jihadistas

Os 30 militares do Exército que vão para o Iraque colaborar no combate ao movimento extremista Estado Islâmico (EI) partem hoje de manhã do aeródromo de Figo Maduro.

(Arquivo/ Reuters)

(Arquivo/ Reuters)

© Nacho Doce / Reuters

O Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA) informou na terça-feira que a missão do contingente nacional se insere na coligação internacional de combate ao EI e tem "duração prevista de um ano".


Os militares portugueses irão apoiar a formação e treino das forças armadas iraquianas, de acordo com a nota disponível na página da internet do EMGFA.


O ministro dos Negócios Estrangeiros português Rui Machete confirmou no passado dia 21 de abril esta operação, mas a decisão sobre o envio de militares portugueses para o Iraque foi tomada na reunião de 16 de dezembro de 2014 do Conselho Superior de Defesa Nacional.


Os militares partem do aeródromo de Figo Maduro (Aeródromo de Trânsito nº1) pelas 08:00, a bordo do avião militar C-130 com destino à capital iraquiana Bagdade.




Com Lusa
  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.