sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Coligação destrói quartel do "Estado Islâmico" devido a "selfie"

Uma 'selfie' colocada por um apoiante do "Estado Islâmico" nas redes sociais permitiu aos caças norte-americanos atacar um quartel daquele grupo extremista, disse esta sexta-feira um dos chefes da Força Aérea dos Estados Unidos.

Em menos de 22 horas, os analistas conseguiram confirmar a informação, passá-la à cadeia de comando e permitir que três bombas destruíssem o edifício.

Em menos de 22 horas, os analistas conseguiram confirmar a informação, passá-la à cadeia de comando e permitir que três bombas destruíssem o edifício.

© STRINGER Iraq / Reuters

Segundo o general Hawk Carlisle, a fotografia permitiu aos analistas da Força Aérea localizar o quartel do grupo extremista.

"Foi uma publicação nas redes sociais, o que nos permitiu bombardear o nosso objetivo em menos de 24 horas", afirmou o general.

O general não revelou nem a localização do quartel, nem quando foi destruído.

Em menos de 22 horas, os analistas conseguiram confirmar a informação, passá-la à cadeia de comando e permitir que três bombas destruíssem o edifício, explicou.

Os apoiantes do grupo extremista têm sido descritos como peritos no uso das redes sociais para recrutamento de jovens no estrangeiro e para aumentar o alcance da propaganda.
Lusa
  • Todos os distritos sob Aviso Amarelo devido ao frio

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera colocou Portugal continental sob Aviso Amarelo na quarta e na quinta-feira. Os termómetros vão estar abaixo de zero em todo o território, à exceção dos distritos de Lisboa, Porto e Faro.

  • Motim em prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos
    1:09

    Mundo

    Um novo motim numa prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos. A prisão, que é a maior do Estado do Rio Grande do Norte, tem capacidade para 600 reclusos mas acolhe quase o dobro. Após o motim de 14 horas, a polícia já tem o controlo total da prisão.

  • Aqui também se vive
    16:07
  • Austrália condena Japão por caça de baleias no Oceano Antártico

    Mundo

    O Governo da Austrália condenou hoje o Japão por retomar a caça de baleias no Oceano Antártico, após a divulgação de imagens de um cetáceo morto a bordo de um barco japonês que se encontrava em águas protegidas.O ministro do Ambiente, Josh Frydenberg, manifestou "profunda deceção", um dia depois de a organização Sea Shepherd divulgar fotografias e vídeos de uma baleia minke no barco japonês Nisshin Maru.