sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Rebeldes sírios expulsam jihadistas de vila na província de Alepo

Rebeldes na Síria repeliram 'jihadistas' do autoproclamado Estado Islâmico (EI) de uma aldeia da província de Alepo, próxima da fronteira com a Turquia, onde o grupo tenta cortar um ponto de aprovisionamento 'chave' dos rebeldes, afirmou hoje uma ONG.    

Elementos de um grupo rebelde sírio.

Elementos de um grupo rebelde sírio.

© Stringer . / Reuters

Militantes também informaram que houve violentos confrontos entre as duas partes nos arredores de Mare, um dos principais feudos da rebelião na província de Alepo, que o EI quer conquistar a qualquer preço. 

Na guerra na Síria que dura há quatro anos, os rebeldes combatem o regime de Bachar al-Assad e o grupo 'jihadista', que se aproveitou do caos para se implantar no país, do qual já controla 50% do território, segundo a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH). 

"Os grupos rebeldes expulsaram o EI da aldeia de Al-Bal situada no norte da província de Alepo", afirma o OSDH. 

Al-Bal fica a uma dezena de quilómetros da passagem de Bab al-Salama na fronteira com a Turquia, principal ponto de aprovisionamento dos rebeldes de armas e combatentes. 

"O objetivo do EI é cortar esta passagem", segundo o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahmane.

Nos combates, pelo menos 29 pessoas morreram nas últimas 24 horas, 14 da parte dos rebeldes e 15 'jihadistas'. 

Mais a sul, registaram-se confrontos entre 'jihadistas' e rebeldes nos arredores de Marea, referiram militantes. 

"O EI tentou em várias ocasiões assumir o controlo de Marea, mas em vão", afirmou Mamun Abu Omar, diretor de uma agência de imprensa local, Shahba Press.

"É um objetivo estratégico para eles ('jihadistas') porque Marea é um reservatório de combatentes e de armas para a rebelião", afirma o jovem Omar oriundo desta cidade. 

Marea também se localiza numa importante estrada para a fronteira turca. 

"O EI tenta cercar a cidade através da ocupação das aldeias circundantes", adianta Omar, que indica que houve combates nas últimas 24 horas em pelo menos duas aldeias vizinhas. 

A guerra na Síria, que começou com manifestações pacíficas contra o regime em 2011, reprimidas pela força, tornou-se um conflito complexo com múltiplas frentes. 

Nos últimos meses, a rebelião infligiu vários golpes ao regime no norte, designadamente na província de Idleb, e no sul, mas continua a ser ameaçada pelo EI, que quer ganhar terreno ao regime e à rebelião. 


Lusa
  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • Homem e cão resgatados das águas na Andaluzia
    0:32