sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Rebeldes sírios expulsam jihadistas de vila na província de Alepo

Rebeldes na Síria repeliram 'jihadistas' do autoproclamado Estado Islâmico (EI) de uma aldeia da província de Alepo, próxima da fronteira com a Turquia, onde o grupo tenta cortar um ponto de aprovisionamento 'chave' dos rebeldes, afirmou hoje uma ONG.    

Elementos de um grupo rebelde sírio.

Elementos de um grupo rebelde sírio.

© Stringer . / Reuters

Militantes também informaram que houve violentos confrontos entre as duas partes nos arredores de Mare, um dos principais feudos da rebelião na província de Alepo, que o EI quer conquistar a qualquer preço. 

Na guerra na Síria que dura há quatro anos, os rebeldes combatem o regime de Bachar al-Assad e o grupo 'jihadista', que se aproveitou do caos para se implantar no país, do qual já controla 50% do território, segundo a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH). 

"Os grupos rebeldes expulsaram o EI da aldeia de Al-Bal situada no norte da província de Alepo", afirma o OSDH. 

Al-Bal fica a uma dezena de quilómetros da passagem de Bab al-Salama na fronteira com a Turquia, principal ponto de aprovisionamento dos rebeldes de armas e combatentes. 

"O objetivo do EI é cortar esta passagem", segundo o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahmane.

Nos combates, pelo menos 29 pessoas morreram nas últimas 24 horas, 14 da parte dos rebeldes e 15 'jihadistas'. 

Mais a sul, registaram-se confrontos entre 'jihadistas' e rebeldes nos arredores de Marea, referiram militantes. 

"O EI tentou em várias ocasiões assumir o controlo de Marea, mas em vão", afirmou Mamun Abu Omar, diretor de uma agência de imprensa local, Shahba Press.

"É um objetivo estratégico para eles ('jihadistas') porque Marea é um reservatório de combatentes e de armas para a rebelião", afirma o jovem Omar oriundo desta cidade. 

Marea também se localiza numa importante estrada para a fronteira turca. 

"O EI tenta cercar a cidade através da ocupação das aldeias circundantes", adianta Omar, que indica que houve combates nas últimas 24 horas em pelo menos duas aldeias vizinhas. 

A guerra na Síria, que começou com manifestações pacíficas contra o regime em 2011, reprimidas pela força, tornou-se um conflito complexo com múltiplas frentes. 

Nos últimos meses, a rebelião infligiu vários golpes ao regime no norte, designadamente na província de Idleb, e no sul, mas continua a ser ameaçada pelo EI, que quer ganhar terreno ao regime e à rebelião. 


Lusa
  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.