sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Líder do "Estado Islâmico" no Afeganistão e Paquistão morto em ataque

O chefe do autoproclamado Estado Islâmico (EI) no Afeganistão e Paquistão foi morto na sequência de um ataque de um drone comandado pelos Estados Unidos, afirmaram este sábado as autoridades afegãs.

A ofensiva ocorreu em Achin, distrito próximo da fronteira com o Paquistão, que se tornou um centro para as atividades do autoproclamado Estado Islâmico no Afeganistão. (Arquivo)

A ofensiva ocorreu em Achin, distrito próximo da fronteira com o Paquistão, que se tornou um centro para as atividades do autoproclamado Estado Islâmico no Afeganistão. (Arquivo)

© Stringer Turkey / Reuters

Segundo a agência de inteligência afegã, Hafiz Saeed foi morto na sexta-feira, no leste do Afeganistão, quando "participava numa reunião com outros executivos" do EI.

Hafiz Saeed, ex-comandante dos talibã no Paquistão, foi morto numa operação conjunta de militares afegãos e norte-americanos, disse a agência de inteligência, em comunicado, adiantando que cerca de 30 membros do EI foram mortos.

A ofensiva ocorreu em Achin, distrito próximo da fronteira com o Paquistão, que se tornou um centro para as atividades do autoproclamado Estado Islâmico no Afeganistão.

A morte de Hafiz Saeed é vista como um forte revés para os extremistas do EI, que procuram expandir-se no Afeganistão e no Paquistão.

O porta-voz das tropas dos EUA no Afeganistão confirmou o ataque, mas não especificou a identidade das vítimas.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.