sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Justiça turca proíbe imagens do atentado em Suruç na Internet

A polícia identificou formalmente um jovem turco de 20 anos como o autor do atentado de segunda-feira, que fez 32 mortos em Suruç, perto da fronteira com a Síria. A Justiça proibiu a difusão na Interent de fotos e vídeos do ataque.

© Stringer Turkey / Reuters

O jovem turco foi identificado através de uma base de dados genéticos, tem 20 anos e é originário de Adiyaman, sudeste da Turquia, revelou um responsável turco à AFP, sob anonimato. Identificado com as iniciais S.A.A., o jovem juntou-se ao grupo terrorista Estado Islâmico há dois meses.

Fez-se explodir na tarde de segunda-feira nos jardins do centro cultural de Suruç, no meio de partidários da causa curda.

A Justiça turca decidiu proibir a difusão de imagens e vídeos do atentado no Twitter. De há um ano para cá têm sido várias as vezes em que é bloqueado o acesso a algumas redes sociais, nomeadamente o Twitter, o Facebook e o YouTube.

O Presidente islâmico-conservador, Recep Tayyip Erdogan, tem dado várias vezes ordens nesse sentido, alegando que essas redes sociais difundem falsas acusações de corrupção no seu Governo.

Em março deste ano, o Parlamento turco votou uma lei que autoriza o Governo a bloquear um site sem decisão judicial. Esta medida foi entretanto considerada inconstitucional.

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.