sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Quase três mil jihadistas e 200 civis mortos na Síria em dez meses

Pelo menos 2.927 membros do grupo Estado Islâmico (EI) e quase 200 civis morreram em dez meses na Síria desde o início dos bombardeamentos da coligação liderada pelos Estados Unidos, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

© Stringer Shanghai / Reuters

Aquela organização não-governamental (ONG) salientou que a maioria dos 'jihadistas' eram estrangeiros e morreram nos ataques realizados pela aliança internacional contra os objetivos do EI nas províncias sírias setentrionais e centrais de Al Raqa, Deir al Zur, Al Hasaka, Alepo, Homs e Hama.

Entre as baixas contabilizadas figuram os nomes de importantes líderes 'jihadistas', mortos no passado dia 13 de julho, como Abu Osama al Iraquí e Amer al Rafidan, cgefes das províncias delimitadas pelo EI no território sírio que ocupam.

Além do grupo EI, os bombardeamentos da coligação internacional também têm como alvo a Frente al Nusra, ramo sírio da Al Qaeda, que neste período perdeu 115 de seus combatentes, incluindo vários dirigentes, em ataques contra as suas bases no oeste de Aleppo e no norte de Idleb.

Mohsen Fadli, dirigente militar da Frente Nusra e líder do grupo extremista Jorasán, na Síria, foi um dos cabecilhas mortos a 08 de julho, confirmaram os Estados Unidos na quarta-feira.

Os números do OSDH apontam para 173 civis mortos, entre as quais 53 menores e 35 mulheres, salientando os ataques ocorridos entre 30 de abril e 01 de maio, em Bir Mahali, no enclave Curdo sírio, como os mais mortíferos, visto terem causado a morte a pelo menos 64 civis.

Ao número total de falecidos soma-se ainda a morte de um combatente rebelde que se encontrava detido numa base do grupo EI, perto de Al Raqa, durante um ataque da aliança internacional, segundo dados da ONG.

A organização divulgou ainda a existência de centenas de feridos, na maioria militantes do grupo EI, e salientou que o número de mortos poderá ser superior ao divulgado por causa do secretismo dos extremistas relativamente a esses dados, e devido à dificuldade de acesso a certas zonas do país.

O grupo radical sunita proclamou há um ano um califado na Síria e no Iraque, onde tem conquistado extensas partes do território.

Lusa

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Repitam comigo: Portugal vai ser campeão do Mundo
    4:56
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Rapper XXXTentacion morto em aparente tentativa de roubo

    Cultura

    O rapper norte-americano XXXTentacion, de 20 anos, morreu na noite de segunda-feira depois de ter sido baleado, na Florida, no sudeste dos Estados Unidos. Um dos suspeitos terá disparado e atingido o rapper e, de seguida, dois suspeitos fugiram numa viatura escura. A polícia está a considerar tentativa de roubo.

  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.