sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Quase três mil jihadistas e 200 civis mortos na Síria em dez meses

Pelo menos 2.927 membros do grupo Estado Islâmico (EI) e quase 200 civis morreram em dez meses na Síria desde o início dos bombardeamentos da coligação liderada pelos Estados Unidos, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

© Stringer Shanghai / Reuters

Aquela organização não-governamental (ONG) salientou que a maioria dos 'jihadistas' eram estrangeiros e morreram nos ataques realizados pela aliança internacional contra os objetivos do EI nas províncias sírias setentrionais e centrais de Al Raqa, Deir al Zur, Al Hasaka, Alepo, Homs e Hama.

Entre as baixas contabilizadas figuram os nomes de importantes líderes 'jihadistas', mortos no passado dia 13 de julho, como Abu Osama al Iraquí e Amer al Rafidan, cgefes das províncias delimitadas pelo EI no território sírio que ocupam.

Além do grupo EI, os bombardeamentos da coligação internacional também têm como alvo a Frente al Nusra, ramo sírio da Al Qaeda, que neste período perdeu 115 de seus combatentes, incluindo vários dirigentes, em ataques contra as suas bases no oeste de Aleppo e no norte de Idleb.

Mohsen Fadli, dirigente militar da Frente Nusra e líder do grupo extremista Jorasán, na Síria, foi um dos cabecilhas mortos a 08 de julho, confirmaram os Estados Unidos na quarta-feira.

Os números do OSDH apontam para 173 civis mortos, entre as quais 53 menores e 35 mulheres, salientando os ataques ocorridos entre 30 de abril e 01 de maio, em Bir Mahali, no enclave Curdo sírio, como os mais mortíferos, visto terem causado a morte a pelo menos 64 civis.

Ao número total de falecidos soma-se ainda a morte de um combatente rebelde que se encontrava detido numa base do grupo EI, perto de Al Raqa, durante um ataque da aliança internacional, segundo dados da ONG.

A organização divulgou ainda a existência de centenas de feridos, na maioria militantes do grupo EI, e salientou que o número de mortos poderá ser superior ao divulgado por causa do secretismo dos extremistas relativamente a esses dados, e devido à dificuldade de acesso a certas zonas do país.

O grupo radical sunita proclamou há um ano um califado na Síria e no Iraque, onde tem conquistado extensas partes do território.

Lusa

  • Carlos César admite diálogo "mais fácil" com PSD de Rio
    1:36

    País

    O presidente e líder parlamentar do PSD diz que o partido não precisa de novos aliados, mas acredita que vai ser mais fácil dialogar com o PSD liderado por Rui Rio, Carlos César visitou esta segunda-feira as regiões afetadas pelos incêndios do ano passado, no primeiro dia das jornadas parlamentares dos socialistas.

  • Benfica é o único clube português na lista dos mais ricos
    1:34
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.

  • Os três pontos de Ronaldo
    1:16
  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC