sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Pelo menos 230 pessoas capturadas pelos jihadistas em localidade síria tomada ontem

Pelo menos 230 pessoas, entre as quais dezenas de cristãos, foram capturadas pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI) na localidade de Al Quariatain, no centro da Síria, que foi tomada na quinta-feira pelos rebeldes, segundo uma organização não-governamental local.

© Umit Bektas / Reuters

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) sublinhou que se desconhece o paradeiro destes prisioneiros, entre os quais há 19 menores e 45 mulheres, além de 11 famílias.

Algumas destas pessoas foram capturadas pelos extremistas no mosteiro de Mar Elian, nesta povoação.

Há dez dias, o abade deste mosteiro, Jack Murad, foi sequestrado por um grupo de homens armados.

O EI expulsou, na quinta-feira, as forças do regime sírio que controlavam Al Quariatian, localizada na província de Homs.

Esta cidade é importante porque está nas imediações de uma estrada que une a parte oriental de Homs com o leste da região de Al Qalamun, na periferia de Damasco.

O EI avançou em maio pelo leste de Homs, onde tomou várias localidades, como a cidade de Palmira, que tem ruínas incluídas na lista de património da humanidade da UNESCO.

O Estado Islâmico proclamou, em final de 2014, um califado no norte da Síria e Iraque, onde controla vastas partes do território.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.