sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Grupo Estado Islâmico reivindica atentado que matou 60 pessoas em Bagdade

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou hoje a autoria da explosão num camião armadilhado quinta-feira numa zona da maioria xiita a norte de Bagdade, que matou pelo menos 38 pessoas, de acordo com as autoridades.

AHMED ALI

O grupo disse num comunicado publicado na internet que levou a cabo "a operação abençoada" em Sadr City, que devastou uma grande área do mercado de legumes.

Segundo a agência Efe, foram 50 os mortos causados pelo atentado na zona de maioria xiita. Já a agência France Press, por sua vez, refere que o ataque registado por volta das 06:00 locais (04:00 em Lisboa) causou pelo menos 38 vítimas mortais.

Fonte da polícia iraquiana disse à Efe que a maioria das vítimas são agricultores que tinham ido ao mercado vender as suas frutas e legumes.

A explosão do camião, carregado com uma grande quantidade de explosivos, destruiu várias tendas do mercado e incendiou veículos estacionados na zona.

Yamila está localizada no densamente povoado distrito de Sadr City, com mais de dois milhões de pessoas de maioria xiita.

Até ao início da manhã de hoje nenhum grupo tinha reivindicado a autoria do ataque.

O Iraque enfrenta desde junho de 2014 uma guerra contra o autoproclamado Estado Islâmico, que conquistou amplas zonas do seu território e proclamou um califado neste país e na vizinha Síria.

Na quarta-feira, dois soldados iraquianos morreram e outros oito ficaram feridos numa emboscada perpetrada por 'jihadistas' na província ocidental de Al Anbar.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.