sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Estado Islâmico destruiu torres funerárias em Palmira

O grupo extremista Estado Islâmico fez explodir pelo menos três das famosas torres funerárias de Palmira, no chamado Vale dos Túmulos, no deserto sírio, anunciou hoje o chefe de Antiguidades sírias, Maamun Abdulkarim.

© Gustau Nacarino / Reuters

"Eles fizeram explodir três das torres funerárias, aquelas que estavam mais bem conservadas, as mais belas", indicou, depois de o EI ter destruído, nas duas últimas semanas, dois dos mais importantes templos de Palmira.

"Recebemos informações há dez dias, mas só agora conseguimos confirmar a informação (...) através de imagens por satélite da Syrian Heritage Initiative, um instituto com sede nos Estados Unidos, que foram obtidas na quarta-feira", explicou o diretor de antiguidades e museus do Ministério da Cultura sírio.

Na opinião deste especialista, os monumentos destruídos são os túmulos de Elahbel, Jamblique e Khitôt "construídos por famílias da antiga Palmira e que eram um símbolo do desenvolvimento económico da cidade durante os primeiros séculos depois de Cristo".

"Palmira é conhecida pelas torres funerárias, que são características da arquitetura da cidade", lembrou Abdulkarim.

O EI, que aproveitou a guerra civil para ocupar grandes áreas da Síria, derrotou as forças governamentais sírias e conquistou Palmira, a 205 quilómetros a leste de Damasco, em 21 de maio.

A 23 de agosto, os 'jihadistas' destruíram com explosivos o templo de Baal-shamin em Palmira. Alguns dias antes, executaram o ex-responsável pelo património da cidade Khaled al-Assaad, de 82 anos.

No domingo, o EI destruiu o templo de Bel, "o mais belo símbolo de toda a Síria", de acordo com Abdulkarim.

A "pérola do deserto", como é apelidada esta cidade com mais de dois mil anos, tem grande importância estratégica para o grupo radical.

Lusa

  • Como se sobrevive à dor em Nodeirinho e Pobrais
    2:43
  • Raphäel Guerreiro vai continuar a acompanhar a seleção
    1:08
  • 74 mil alunos do secundário têm a vida "suspensa" 
    2:22

    País

    Enquanto o Ministério Público investiga a fuga de informação no exame nacional de Português do 12.º ano, 74 mil estudantes ficam com a vida suspensa. Se a fuga se confirmar, o exame corre o risco de ser anulado e as candidaturas ao ensino superior atrasam. O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pelos exames, prometeu esclarecimentos para os próximos dias.