sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Obama diz que vencer Estado Islâmico na Síria exige novo dirigente no país

O Presidente norte-americano, Barack Obama, defendeu hoje que a vitória sobre o grupo 'jihadista' Estado Islâmico na Síria passa pela saída do poder do atual Presidente sírio, Bashar al-Assad.

© Shannon Stapleton / Reuters

"Na Síria, vencer o Estado Islâmico exige um novo dirigente", declarou Obama na abertura de uma cimeira dedicada à luta contra o terrorismo, organizada à margem da Assembleia-Geral da ONU .

"Os nossos esforços militares não serão suficientes", alertou Obama perante os líderes de uma centena de países.

Insistindo na necessidade de atacar as condições "que permitiram ao Estado Islâmico implantar-se", apontou a guerra civil, os conflitos religiosos e ainda a má governação.

"Vai ser um processo complexo", sublinhou, reafirmando, como na segunda-feira na tribuna da ONU, que está disposto a trabalhar com "todos os países", incluindo a Rússia e o Irão.

O futuro de Assad é o principal ponto de desacordo entre Moscovo e Washington, considerando o Kremlin, que sempre apoiou o regime de Damasco, que não é possível combater os 'jihadistas' do EI sem Assad.

Por essa razão, a Rússia criticou a convocação desta cimeira por Obama e anunciou que não tomará parte ativa nela.

Segundo o embaixador russo na ONU, Vitaly Tchurkin, citado pela agência Ria Novosti, a delegação russa limitar-se-á a enviar um diplomata para "cobrir o acontecimento".

Os Estados Unidos, que, pelo contrário, apelam para uma transição política, lideram uma coligação militar de cerca de 60 países, entre os quais o Reino Unido, a França e os vizinhos árabes da Síria, que efetuou, desde há um ano, mais de 5.000 ataques aéreos a posições do EI na Síria e no Iraque.

Reiterando que a luta contra o grupo extremista levará tempo, Obama insistiu na "grande eficácia" que os 'jihadistas' têm nas redes sociais e que lhes permite recrutar no Médio Oriente mas também nos países ocidentais.

"Haverá êxitos e reveses", advertiu o chefe de Estado norte-americano, acrescentando que "não se trata de uma batalha convencional, mas de uma campanha a longo prazo".

"O EI acabará por perder, porque eles não têm mais nada para oferecer além do sofrimento e da morte", disse ainda Obama.

Destinada a revitalizar a coligação internacional anti-Estado Islâmico, a cimeira conta com 104 países convidados, bem como uma centena de organizações regionais e de representantes da sociedade civil, como dirigentes religiosos.

Lusa

  • "Temos de jogar melhor do que frente à Espanha"
    0:45
  • Ronaldo é o jogador que mais preocupa os marroquinos
    2:35
  • Recorda-se de Tahar? O ex-futebolista marroquino que já jogou em Portugal
    6:10
  • "Somos 11 milhões, queremos ser campeões e as russas são grandes canhões"
    3:54
  • Denis Cheryshev: o orgulho dos anfitriões

    Mundial 2018 / Rússia

    O avançado Denis Cheryshev foi eleito o Homem do Jogo entre Rússia e Egito, que os russos venceram por 3-1. Marcou o segundo golo dos anfitriões, o terceiro em nome próprio no Mundial e juntou-se a Cristiano Ronaldo no topo da lista de melhores marcadores. Aos 27 anos e a jogar o primeiro Mundial da carreira, Cheryshev continua a assumir-se como um dos principais rostos da esperança russa para o sucesso desta campanha. Depois de já ter sido o melhor em campo no triunfo sobre a Arábia Saudita, a nação anfitriã vê-o como uma espécie de porta-estandarte do orgulho russo na defesa da pátria.

  • Gato Achilles acerta no resultado do Rússia-Egito

    Desporto

    O gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. Depois de ter acertado na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita, o felino voltou a apostar na equipa certa, com os russos a vencerem esta terça-feira o Egipto por 3-1.

  • Os momentos que marcaram o 6.º dia de Mundial
    0:58
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O espetáculo fora das quatro linhas
    2:30
  • "Quando o Cristiano Ronaldo te convidar para almoçar, recusa"

    Desporto

    Na possibilidade de ser convidado por Cristiano Ronaldo para um almoço ou jantar, recuse. Este é o conselho de Patrice Evra, que revelou o "sofrimento" que passou quando aceitou almoçar em casa do capitão da seleção nacional, na altura em que ambos jogavam pelo Manchester United. O jogador francês falou sobre a comida "demasiado saudável" e o exercício que acabou por ter de fazer, enquanto podia estar a descansar.

    SIC

  • "Quero ir com a minha tia", o desespero das crianças afastadas dos pais nos EUA
    2:11

    Mundo

    A nova política de imigração de Donald Trump está a suscitar reações indignadas. Na fronteira com o México, as crianças refugiadas estão a ser retiradas à força aos pais e levadas para centros de acolhimento. Esta terça-feira, foi divulgado um registo áudio de uma criança a suplicar pelos pais a um dos agentes da polícia fronteiriça.

  • Protecionismo de Trump abala Wall Street

    Economia

    Abalada pela exacerbação das disputas comerciais entre os EUA e a China, a bolsa nova-iorquina encerrou esta terça-feira em baixa, com o seletivo Dow Jones a fechar em queda pela sexta sessão consecutiva.