sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Diplomacia dos EUA protesta junto da Rússia pelos bombardeamentos na Síria

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, protestou hoje junto do homólogo russo, Serguei Lavrov, pelos bombardeamentos russos na Síria, que considerou contraproducentes, informou um alto responsável da administração norte-americana.

© Darren Ornitz / Reuters

Kerry conversou com Lavrov à margem da Assembleia-Geral da ONU, em Nova Iorque, para "passar a mensagem (...) de que este anúncio da Rússia ia contra os seus esforços para evitar (um incidente militar) e era contraproducente", disse o responsável a um grupo de jornalistas.

A Rússia confirmou hoje ter efetuado os primeiros ataques aéreos na Síria, horas depois de a intervenção, pedida pelo regime de Bashar al-Assad, ter sido aprovada pelo Conselho Federal (Senado).

"Em conformidade com a decisão do comandante em chefe das forças armadas Vladimir Putin, realizámos uma operação aérea e bombardeamentos de precisão contra alvos no solo dos terroristas do grupo Estado Islâmico na Síria", declarou o general Igor Konachenkov, porta-voz do Ministério da Defesa, citado pelas agências noticiosas russas.

Os Estados Unidos lideram uma coligação que há mais de um ano bombardeia as posições do Estado Islâmico (EI) na Síria e no Iraque.

Responsáveis norte-americanos asseguram já que os ataques russos na Síria não vão alterar a estratégia da coligação.

"A coligação liderada pelos Estados Unidos vai continuar as missões aéreas sobre o Iraque e a Síria como planeado e em apoio da missão internacional para a destruição" do EI, disse à imprensa o porta-voz do Departamento de Estado, John Kirby.

Segundo o porta-voz, um responsável russo em Bagdad informou hoje de manhã o pessoal da embaixada norte-americana de que aviões de combate russos iam começar hoje missões anti-EI na Síria.

"Pediu que os aparelhos dos Estados Unidos evitem o espaço aéreo sírio durante essas missões", acrescentou.Lusa

  • Rússia lança primeiro ataque aéreo sobre a Síria

    Daesh

    A Rússia lançou o primeiro ataque aéreo sobre a Síria, perto de Homs, segundo fonte do Pentágono citado pelas agências internacionais. O bombardeamento surge na sequência do pedido de ajuda do Presidente sírio, Bashar al-Assad, a Vladimir Putin na "luta contra o terrorismo". Moscovo já confirmou estes ataques.

  • Bashar al-Assad pede ajuda militar à Rússia

    Mundo

    O Presidente sírio, Bashar al-Assad, pediu hoje ajuda militar à Rússia, de acordo com informação avançada pelo chefe de gabinete do Kremlin, Sergei Ivanov. Entretanto, o parlamento russo autorizou o seu Presidente, Vladimir Putin, a recorrer à força militar no estrangeiro, nomeadamente ataques aéreos na Síria.

  • A estreia de Centeno como líder do Eurogrupo
    1:56
  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    A Justiça espanhola pediu à Dinamarca para ativar a ordem de detenção europeia contra Carles Puigdemont, que ignorou as ameaças de detenção e decidiu deslocar-se a Copenhaga para participar numa conferência. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

    Luís Marques Mendes

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".