sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Rússia confirma novos bombardeamentos na Síria

A Rússia confirmou hoje a realização de novos ataques contra posições do grupo extremista Estado Islâmico nas províncias sírias de Idleb, Hama e Homs.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

"A aviação russa conduziu quatro ataques aéreos esta noite contra quatro posições do Estado Islâmico em território sírio", informou o Ministério da Defesa russo num comunicado.

Nesses ataques, aviões Sukhoi-24 e 25 da Força Aérea russa destruíram "um quartel-general de grupos terroristas e uma reserva de munições na zona de Idleb", no noroeste da Síria, uma oficina de preparação de automóveis armadilhados a norte de Homs, no centro do país, e "um posto de comando de combatentes na zona de Hama, também no centro.

Todos os aviões de combate envolvidos descolaram da base aérea construída pela Rússia junto ao aeroporto de Latakya, no noroeste da Síria.

Para evitar perdas civis, lê-se no texto, os ataques "foram distantes de localidades", com base em informações recolhidas junto de "diferentes fontes" e ao reconhecimento dos locais efetuado com aviões não-tripulados ('drones') e a partir de imagens de satélite.

Uma fonte da segurança síria confirmou os ataques, mas indicou que eles visaram bases do Exército da Conquista (Jaish al-Fatah) na província de Idleb, e "posições de grupos armados, bases e depósitos de armas em Hawach, na província de Hama".

O Exército da Conquista é uma aliança de vários grupos armados antirregime, entre os quais o Ahrhar al-Sham, um dos maiores grupos rebeldes, e a Frente al-Nosra, braço da Al-Qaida na Síria, e combate os 'jihadistas' do Estado Islâmico.

A organização não-governamental Observatório Sírio dos Direitos Humanos confirmou uma série de ataques russos naquelas três províncias, mas assegurou que os locais visados não correspondem a posições do Estado Islâmico.

A aviação russa iniciou na quarta-feira ataques aéreos na Síria. Moscovo garante visar posições do Estado Islâmica, mas França e os Estados Unidos admitiram que outros grupos possam ter sido visados. Segundo a Coligação Nacional Síria (oposição), pelo menos 36 civis morreram nos ataques russos.

Mais de 50 aviões e helicópteros de combate russos participam em bombardeamentos na Síria, segundo o Ministério da Defesa russo. Nas últimas 24 horas, os aparelhos fizeram mais de vinte voos, concretizando 12 ataques, oito na quarta-feira e quatro na madrugada de hoje.

Um batalhão de infantaria da Marinha foi mobilizado para a proteção da base aérea russa em Latakya e da base naval no porto de Tartus.

Lusa

  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46