sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Rússia confirma novos bombardeamentos na Síria

A Rússia confirmou hoje a realização de novos ataques contra posições do grupo extremista Estado Islâmico nas províncias sírias de Idleb, Hama e Homs.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

"A aviação russa conduziu quatro ataques aéreos esta noite contra quatro posições do Estado Islâmico em território sírio", informou o Ministério da Defesa russo num comunicado.

Nesses ataques, aviões Sukhoi-24 e 25 da Força Aérea russa destruíram "um quartel-general de grupos terroristas e uma reserva de munições na zona de Idleb", no noroeste da Síria, uma oficina de preparação de automóveis armadilhados a norte de Homs, no centro do país, e "um posto de comando de combatentes na zona de Hama, também no centro.

Todos os aviões de combate envolvidos descolaram da base aérea construída pela Rússia junto ao aeroporto de Latakya, no noroeste da Síria.

Para evitar perdas civis, lê-se no texto, os ataques "foram distantes de localidades", com base em informações recolhidas junto de "diferentes fontes" e ao reconhecimento dos locais efetuado com aviões não-tripulados ('drones') e a partir de imagens de satélite.

Uma fonte da segurança síria confirmou os ataques, mas indicou que eles visaram bases do Exército da Conquista (Jaish al-Fatah) na província de Idleb, e "posições de grupos armados, bases e depósitos de armas em Hawach, na província de Hama".

O Exército da Conquista é uma aliança de vários grupos armados antirregime, entre os quais o Ahrhar al-Sham, um dos maiores grupos rebeldes, e a Frente al-Nosra, braço da Al-Qaida na Síria, e combate os 'jihadistas' do Estado Islâmico.

A organização não-governamental Observatório Sírio dos Direitos Humanos confirmou uma série de ataques russos naquelas três províncias, mas assegurou que os locais visados não correspondem a posições do Estado Islâmico.

A aviação russa iniciou na quarta-feira ataques aéreos na Síria. Moscovo garante visar posições do Estado Islâmica, mas França e os Estados Unidos admitiram que outros grupos possam ter sido visados. Segundo a Coligação Nacional Síria (oposição), pelo menos 36 civis morreram nos ataques russos.

Mais de 50 aviões e helicópteros de combate russos participam em bombardeamentos na Síria, segundo o Ministério da Defesa russo. Nas últimas 24 horas, os aparelhos fizeram mais de vinte voos, concretizando 12 ataques, oito na quarta-feira e quatro na madrugada de hoje.

Um batalhão de infantaria da Marinha foi mobilizado para a proteção da base aérea russa em Latakya e da base naval no porto de Tartus.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.