sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

UNESCO diz que "jihadistas" estão a destruir Palmira porque têm medo da História

A UNESCO condenou hoje a destruição do Arco do Triunfo de Palmira, afirmando que os ataques contra aquela antiga cidade síria demonstram que os extremistas do Estado Islâmico são "a pura expressão do ódio e da ignorância".

EPA/ Arquivo

EPA/ Arquivo

YOUSSEF BADAWI / EPA

"Esta nova destruição revela até que ponto os extremistas estão aterrorizados pela História e pela Cultura, uma vez que o conhecimento do passado semeia credibilidade e deslegitima todos os pretextos utilizados para justificar estes crimes", afirmou a diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Irina Bokova, num comunicado.

Segundo a representante da UNESCO, as ruínas milenares de Palmira encarnam tudo aquilo que horroriza os elementos do grupo radical sunita, ou seja, "a diversidade cultural, o diálogo entre culturas e o reencontro dos povos de todas as origens nesta cidade" que marcou as antigas rotas comerciais entre a Europa e a Ásia.

"Não haverá impunidade para os criminosos de guerra e a UNESCO irá fazer tudo ao seu alcance para que os autores desta destruição sejam julgados e punidos, em estreita cooperação com o Tribunal Penal Internacional", acrescentou a organização.

O responsável máximo das antiguidades na Síria afirmou hoje de madrugada que os 'jihadistas' tinham utilizado explosivos para destruir o Arco do Triunfo de Palmira, uma construção com cerca de 2.000 anos que era uma das estruturas mais importantes daquela cidade milenar.

O grupo extremista assumiu o controlo de Palmira, classificada pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade em 1980, em maio último.

Desde então, os receios de uma total destruição deste local emblemático têm vindo a aumentar, uma vez que os combatentes extremistas já destruíram diversos tesouros históricos, como foi o caso dos templos de Bel e de Baal Shamin.

Situada a cerca de 210 quilómetros a nordeste da capital síria, Damasco, a "pérola do deserto", como é apelidada esta cidade com mais de 2.000 anos, tem uma grande importância estratégica para o grupo radical.

Em agosto passado, o Estado Islâmico (EI) divulgou que tinha decapitado um dos maiores especialistas dos tesouros arqueológicos de Palmira, Khaled al-Assad.

O especialista de 82 anos era o antigo responsável pelas antiguidades e pelos museus de Palmira e ajudou a preservar os tesouros arqueológicos da cidade durante meio século.

Os 'jihadistas' do EI, combatentes que iniciaram em junho de 2014 uma grande ofensiva e que se assumem como participantes numa 'guerra santa', proclamaram um "califado" nos vastos territórios que controlam na Síria e no Iraque.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.