sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

UNESCO diz que "jihadistas" estão a destruir Palmira porque têm medo da História

A UNESCO condenou hoje a destruição do Arco do Triunfo de Palmira, afirmando que os ataques contra aquela antiga cidade síria demonstram que os extremistas do Estado Islâmico são "a pura expressão do ódio e da ignorância".

EPA/ Arquivo

EPA/ Arquivo

YOUSSEF BADAWI / EPA

"Esta nova destruição revela até que ponto os extremistas estão aterrorizados pela História e pela Cultura, uma vez que o conhecimento do passado semeia credibilidade e deslegitima todos os pretextos utilizados para justificar estes crimes", afirmou a diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Irina Bokova, num comunicado.

Segundo a representante da UNESCO, as ruínas milenares de Palmira encarnam tudo aquilo que horroriza os elementos do grupo radical sunita, ou seja, "a diversidade cultural, o diálogo entre culturas e o reencontro dos povos de todas as origens nesta cidade" que marcou as antigas rotas comerciais entre a Europa e a Ásia.

"Não haverá impunidade para os criminosos de guerra e a UNESCO irá fazer tudo ao seu alcance para que os autores desta destruição sejam julgados e punidos, em estreita cooperação com o Tribunal Penal Internacional", acrescentou a organização.

O responsável máximo das antiguidades na Síria afirmou hoje de madrugada que os 'jihadistas' tinham utilizado explosivos para destruir o Arco do Triunfo de Palmira, uma construção com cerca de 2.000 anos que era uma das estruturas mais importantes daquela cidade milenar.

O grupo extremista assumiu o controlo de Palmira, classificada pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade em 1980, em maio último.

Desde então, os receios de uma total destruição deste local emblemático têm vindo a aumentar, uma vez que os combatentes extremistas já destruíram diversos tesouros históricos, como foi o caso dos templos de Bel e de Baal Shamin.

Situada a cerca de 210 quilómetros a nordeste da capital síria, Damasco, a "pérola do deserto", como é apelidada esta cidade com mais de 2.000 anos, tem uma grande importância estratégica para o grupo radical.

Em agosto passado, o Estado Islâmico (EI) divulgou que tinha decapitado um dos maiores especialistas dos tesouros arqueológicos de Palmira, Khaled al-Assad.

O especialista de 82 anos era o antigo responsável pelas antiguidades e pelos museus de Palmira e ajudou a preservar os tesouros arqueológicos da cidade durante meio século.

Os 'jihadistas' do EI, combatentes que iniciaram em junho de 2014 uma grande ofensiva e que se assumem como participantes numa 'guerra santa', proclamaram um "califado" nos vastos territórios que controlam na Síria e no Iraque.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.