sicnot

Perfil

Daesh

Síria anuncia grande ofensiva para libertar as áreas ocupadas pelo Estado Islâmico

Síria anuncia grande ofensiva para libertar as áreas ocupadas pelo Estado Islâmico

A Síria anunciou uma grande ofensiva militar para libertar as áreas ocupadas pelo Estado Islâmico. No entanto, a NATO manifesta preocupação com a escalada da violência dentro da própria Síria. No complexo tabuleiro militar da região, a Rússia juntou-se ao regime de Bashar Al Assad. Mas suspeita-se que, em vez de combater o Estado Islâmico, os russos estejam a aniquilar a oposição síria.

Os ministros da Defesa da NATO, reunidos hoje em Bruxelas, concordaram que a crescente intervenção russa na Síria levanta "sérias preocupações" e não está a ajudar a alcançar uma "solução política" para o conflito, afirmou o secretário-geral da organização.

Numa conferência de imprensa durante uma reunião de ministros da Defesa da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg disse que, na discussão sobre a situação na Síria, os Aliados concordaram que a "escalada da atividade militar russa na Síria" é muito preocupante, sobretudo porque não se limita a visar o ISIS, o grupo autodenominado Estado Islâmico.

"Ataques russos enfraqueceram Estado Islâmico"

Os ataques militares russos na Síria permitiram enfraquecer a organização EI e outros grupos armados, ao mesmo tempo que ajudaram as forças do regime, sustentou hoje o Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas sírias.

"Após os ataques aéreos russos que diminuíram a capacidade de combate do EI e de outros grupos terroristas, as forças armadas sírias retomaram a iniciativa militar", afirmou o general Ali Abdallah Ayoub, citado pela televisão pública do país.

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15