sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Polícia turca interroga 20 pessoas suspeitas de pertencerem ao Estado Islâmico

A polícia turca deteve para interrogatório 20 pessoas suspeitas de pertenceram ao grupo Estado Islâmico em Antalia, onde vai decorrer a cimeira do G20 nos dias 15 e 16 de novembro, informou hoje a agência de notícias Dogan.

© Sertac Kayar / Reuters

As autoridades turcas lançaram uma caça aos extremistas do Estado Islâmico desde os atentados suicidas que causaram a morte de 102 pessoas e ferimentos noutras 500, durante uma manifestação pela paz no dia 10 de outubro passado, em Ancara.

Segundo o procurador de Ancara, aquele ataque, o mais mortífero da histórica turca, foi comandado pelo estado-maior do Estado Islâmico na Síria.

A cidade de Antalia, conhecido destino turístico no sul do país, vai acolher a cimeira anual dos chefes de Estado e de Governo dos 20 países mais ricos do planeta nos próximos dias 15 e 16, numa agenda de trabalhos que inclui questões ligadas ao terrorismo e à luta contra o Estado Islâmico.

A cimeira deverá contar com a presença dos presidentes norte-americano, Barack Obama, e russo, Vladimir Putin.

O chefe da diplomacia turca, Feridun Sinirlioglu, afirmou na quarta-feira passada que a Turquia prevê levar a cabo "nos próximos dias" uma ofensiva militar contra os 'jihadistas' do Estado Islâmico, sem adiantar detalhes.

O regime do Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, foi durante muito tempo alvo de suspeitas de conivência em relação aos grupos radicais que combatem o regime de Damasco e incluem o Estado Islâmico.

Depois de meses de pressão por parte dos seus aliados da NATO, Ancara aceitou no verão passado juntar-se à coligação militar contra o Estado Islâmico levado a cabo pelos Estados Unidos, o que provocou a ira dos 'jihadistas'.

Lusa

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos poucos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.