sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Estado Islâmico vende escravas a combatentes feridos na Síria

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) vendeu várias prisioneiras de guerra não muçulmanas "como escravas" aos seus combatentes feridos ou mutilados no nordeste da Síria, denunciou hoje o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

© Ibraheem Abu Mustafa / Reuter

O diretor do OSDH, Rami Abderrahman, explicou que estas mulheres são "exploradas sexualmente", além de efetuarem trabalhos domésticos e ajudarem os combatentes.

A organização não-governamental (ONG) acrescentou que o EI decidiu vender as escravas por as famílias das populações locais não autorizarem casamentos das suas filhas com 'jihadistas' feridos em combate.

O OSDH, com sede em Londres e uma ampla rede de ativistas na Síria, obteve testemunhos sobre as escravas na periferia da zona leste de Deir al Zur, capital da província homónima, sob controlo do EI.

A ONG explicou que a venda de mulheres capturadas pelo EI, na Síria e no Iraque, é um negócio muito lucrativo para os dirigentes e membros do grupo 'jihadista'.

Os 'jihadistas' consideram estas mulheres, na maioria dos casos yazidis, minoria religiosa do norte do Iraque, "espólio da guerra contra os hereges".

Em julho passado, o EI vendeu 42 prisioneiras yazidis na localidade de Al Mayadin, no leste da província síria de Deir al Zur, por valores que rondavam entre os 500 e os dois mil dólares por mulher.

O grupo vendeu quase 300 mulheres yazidis, capturadas no Iraque, aos combatentes do EI na Síria.

O OSDH sublinhou que o EI evita vender prisioneiras curdas, na sequência de vários casos em que escravas deste grupo étnico assassinaram o homem que as comprou, e suicidaram-se em seguida.

Estas mulheres participam na guerra contra o EI nas fileiras curdas, determinantes na luta nos territórios curdos no Iraque e na Síria.

O EI proclamou, em junho de 2014, um califado nas zonas que controla na Síria e no Iraque.

Lusa

  • Benfica não participa na final da Taça de Portugal de hóquei em patins

    Desporto

    O Benfica anunciou hoje que não vai comparecer na "final four" da Taça de Portugal de hóquei em patins, em protesto com "o estado de degradação que atingiu" a modalidade e com a alegada dualidade de critérios. As "águias" deveriam jogar no sábado com o FC Porto, que se sagrou campeão, no sábado, na segunda meia-final da Taça de Portugal, já depois de a Física de Torres Vedras e o Sporting de Tomar já se terem defrontado em Gondomar.

  • Carvalhal do Sapo tenta recuperar a vida normal após incêndio
    2:33

    País

    As populações das aldeias de Góis tentam voltar à normalidade, ao fim de vários dias rodeadas por um grande dispositivo de operacionais. A repórter Cristina Freitas esteve hoje em Carvalhal do Sapo, onde se realizou mais um funeral de uma das vítimas do incêndio de Pedrógão Grande.

  • Falta de médicos e de ofertas de emprego preocupa habitantes da Guarda
    5:13

    SIC 25 Anos

    No interior do país, a Guarda acusa todas as debilidades de um concelho envelhecido e desertificado. Faltam médicos especialistas e ofertas de emprego que, de ano para ano empobrecem o índice de atratividade da região e aumentam o despovoamento. Mas quem melhor do que as famílias para fazer o retrato da terra onde vivem e trabalham? Uma delas aceitou a proposta da SIC para fazer o roteiro do melhor e do pior da terra que escolheu para educar os filhos.

  • Daesh divulga imagens da destruição da mesquita de Mossul
    1:58
  • "Podemos ser atendidos por um médico branco?"
    0:58