sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Lidar com Assad é "mal menor", considera MNE espanhol

O ministro dos Negócios Estrangeiros espanhol, José Manuel Garcia Margallo, afirmou hoje que lidar com o Presidente sírio, Bashar al-Assad, é atualmente "o mal menor", perante a ameaça terrorista na Europa.

© Brendan McDermid / Reuters

"O mal menor é lidar com Bashar al-Assad para poder alcançar um cessar-fogo que permita fazer chegar ajuda aos deslocados (...) e sobretudo poder atacar o inimigo comum: o Daesh (acrónimo árabe do grupo extremista Estado Islâmico)", declarou o ministro espanhol na estação de televisão pública TVE.

O responsável, que já anteriormente tinha defendido este ponto de vista, embora de forma menos direta, insistiu: "É preciso substituir a dialética 'Bashar, sim ou Bashar, não' pela da paz ou da guerra. Se queremos a paz, será necessário entendermo-nos pelo menos de forma transitória com Assad".

"Roosevelt também teve de chegar a acordo com Estaline para acabar com os nazis, porque esse era um mal menor, na altura", argumentou ainda.

O chefe da diplomacia espanhola indicou igualmente que não existe um plano de ação europeu concreto, por enquanto, na véspera da ativação pela França da "cláusula de solidariedade" dos tratados europeus, que prevê a ajuda dos outros países se um dos 28 for vítima de uma "agressão armada".

A França pediu a assistência da União Europeia após os atentados 'jihadistas' de Paris, que fizeram 129 mortos a 13 de novembro.

"Tomámos conhecimento disso com surpresa, porque pensávamos que ia recorrer a outro artigo que prevê uma ajuda mútua em caso de terrorismo", disse Garcia Margallo.

"Não são precisos mais planos paralelos, penso que devemos sentar-nos todos juntos e elaborar um plano coordenado", acrescentou o ministro espanhol.

Lusa

  • Captura ilegal de cavalos-marinhos na Ria Formosa
    3:02

    País

    Há cada vez menos cavalos marinhos na Ria Formosa. Cientistas da Universidade do Algarve dizem que a maior população desta espécie no mundo, que é a que existe na Ria Formosa, está ameaçada devido à captura ilegal para o mercado asiático. Dizem que, se nada for feito para travar este fenómeno, esta espécie protegida pode desaparecer em poucos anos.