sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Lidar com Assad é "mal menor", considera MNE espanhol

O ministro dos Negócios Estrangeiros espanhol, José Manuel Garcia Margallo, afirmou hoje que lidar com o Presidente sírio, Bashar al-Assad, é atualmente "o mal menor", perante a ameaça terrorista na Europa.

© Brendan McDermid / Reuters

"O mal menor é lidar com Bashar al-Assad para poder alcançar um cessar-fogo que permita fazer chegar ajuda aos deslocados (...) e sobretudo poder atacar o inimigo comum: o Daesh (acrónimo árabe do grupo extremista Estado Islâmico)", declarou o ministro espanhol na estação de televisão pública TVE.

O responsável, que já anteriormente tinha defendido este ponto de vista, embora de forma menos direta, insistiu: "É preciso substituir a dialética 'Bashar, sim ou Bashar, não' pela da paz ou da guerra. Se queremos a paz, será necessário entendermo-nos pelo menos de forma transitória com Assad".

"Roosevelt também teve de chegar a acordo com Estaline para acabar com os nazis, porque esse era um mal menor, na altura", argumentou ainda.

O chefe da diplomacia espanhola indicou igualmente que não existe um plano de ação europeu concreto, por enquanto, na véspera da ativação pela França da "cláusula de solidariedade" dos tratados europeus, que prevê a ajuda dos outros países se um dos 28 for vítima de uma "agressão armada".

A França pediu a assistência da União Europeia após os atentados 'jihadistas' de Paris, que fizeram 129 mortos a 13 de novembro.

"Tomámos conhecimento disso com surpresa, porque pensávamos que ia recorrer a outro artigo que prevê uma ajuda mútua em caso de terrorismo", disse Garcia Margallo.

"Não são precisos mais planos paralelos, penso que devemos sentar-nos todos juntos e elaborar um plano coordenado", acrescentou o ministro espanhol.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.