sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Polícia australiana alerta para grupo de jihadistas no país

A polícia australiana alertou para a existência de um "pequeno grupo" de 'jihadistas' no país, incluindo menores de idade, capazes de perpetrar atos terroristas na Austrália, informam hoje meios de comunicação locais.

© Daniel Munoz / Reuters

"Não há dúvida de que há um pequeno grupo em Sydney ligado a uma atividade que procura perturbar o estilo de vida australiano", disse Neil Gaughan, chefe da divisão antiterrorismo da polícia federal da Austrália, à televisão ABC.

Neil Gaughan apontou para a existência de um grupo de 19 pessoas, cujas identidades não foram reveladas, sete das quais se encontram na prisão.

Desde 2014, a polícia australiana deteve mais de 30 pessoas acusadas de delitos ligados ao terrorismo.

Em setembro do ano passado, a Austrália elevou o nível de alerta terrorista de "médio" para "alto" pela primeira vez em dez anos.

À luz do sistema australiano, o nível "alto" significa que é "provável" a ocorrência de um atentado terrorista.

Desde então, as autoridades têm levado a cabo uma série de operações antiterrorismo de larga escala, tendo o alarme sido agravado pela partida de mais de uma centena de australianos para o Iraque e para a Síria para combaterem nas fileiras dos 'jihadistas' do Daesh.

Lusa

  • Confrontos durante manifestações pró e contra política de imigração na Austrália

    Crise Migratória na Europa

    Dezenas de pessoas envolveram-se em confrontos na Austrália durante manifestações a favor e contra a entrada de imigrantes muçulmanos no país. Os manifestantes de extrema-direita alegam que a onda de imigração põe em causa a defesa da identidade nacional. Na reação, vários grupos antirracistas apelaram à paz. Dezenas de pessoas acabaram por evolver-se em confrontos com a polícia, seis pessoas foram detidas.

  • Sete pessoas morreram num acidente de helicóptero na Nova Zelândia

    Mundo

    Sete pessoas morreram num acidente de helicóptero na Nova Zelândia. O aparelho despenhou-se sobre um glaciar na costa oeste da ilha Sul. A chuva intensa terá estado na origem do acidente. Além do piloto, a bordo seguiam quatro turistas do Reino Unido e dois da Austrália. Pelo menos, três corpos foram recuperados. Devido às dificuldades de acesso ao local, as operações de resgate devem prolongar-se durante os próximos dias.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.