sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Eurodeputados querem maior troca de informações e lista negra de "jihadistas"

Os eurodeputados defenderam hoje que deverá haver um aumento na troca de informações entre Estados-membros e agências da União Europeia (UE), no âmbito da luta antiterrorista e deverá surgir uma lista "negra de "jihadistas" europeus" e presumíveis terroristas.

© Handout . / Reuters

A lista de medidas consta de um relatório aprovado hoje, em Estrasburgo (França) por 548 votos a favor, 110 contra e 36 abstenções.

Os eurodeputados indicaram ainda a necessidade de uma diretiva sobre os registos de identificação de passageiros até ao final do ano e de um sistema de alerta para "obter apoio ou assinalar rapidamente o desenvolvimento de mudanças súbitas de comportamento que possam indiciar um processo de radicalização terrorista ou a partida de um indivíduo para se juntar a organizações terroristas".

A deteção de conteúdos ilegais na Internet, com a criação de uma unidade especial em cada Estado-membro, a utilização do Fundo para a Segurança Interna para prevenir a radicalização, a intensificação dos controlos nas fronteiras externas e o reforço dos instrumentos de política externa e de diálogo com os países terceiros são outras das medidas defendidas.

No relatório, foram registadas também recomendações para o fim do branqueamento de capitais, tráfico de armas, e a "prestação de assistência aos familiares das vítimas do terrorismo, bem como às famílias das pessoas que foram radicalizadas".

O documento lembrou que mais de 5.000 cidadãos europeus aderiram a organizações terroristas e a outras formações militares, nomeadamente às fileiras do grupo extremista Estado Islâmico, da Frente al-Nosra e de outras formações na região do Médio Oriente e do Norte de África.

Para os eurodeputados, o combate ao terrorismo, à radicalização e ao recrutamento na União Europeia "só poderá surtir efeitos se for desenvolvido paralelamente a uma estratégia de integração e inclusão social".

"O terrorismo não pode nem deve ser associado a nenhuma religião, nacionalidade ou civilização particulares", insistiram ainda os membros do Parlamento Europeu.

Lusa

  • França divulga imagens de ataques aéreos sobre Raqqa
    0:39

    Daesh

    França divulgou imagens dos mais recentes ataques aéreos na Síria. O vídeo mostra os aviões militares franceses a bombardear vários locais da cidade de Raqqa, bastião do Daesh. Nas imagens a preto a branco, é possível reconhecer alguns edifícios que explodiram. Também o Reino Unido está a preparar-se para começar ataques aéreos na Síria. David Cameron diz que só falta a aprovação parlamentar, que deve acontecer ainda esta semana.

  • Hollande diz que é urgente encerrar a fronteira entre a Turquia e a Síria
    1:01

    Daesh

    O Presidente francês anunciou que os Estados Unidos e França vão intensificar os ataques contra o Daesh na Síria e no Iraque. François Hollande disse também que é urgente encerrar a fronteira entre a Turquia e a Síria para evitar deslocações de extremistas. O Presidente francês já está, assim, nos Estados Unidos. François Hollande aterrou ao início da tarde na base aérea de Andrews, nos arredores de Washington. Partiu depois para a Casa Branca, onde reuniu com Barack Obama, na sala oval.

  • Casa Branca isolada devido a pacote suspeito

    Mundo

    A Casa Branca foi esta terça-feira isolada devido à presença de um pacote suspeito junto a uma das vedações que limitam o edifício governamental norte-americano. A situação já foi normalizada e o objeto retirado do local.

  • Inspetores do SEF cansados das promessas do Governo
    1:00

    País

    O sindicato do SEF garante que a segurança contra o terrorismo vai ser assegurada na greve de quinta-feira e sexta-feira nos aeroportos. Acácio Pereira, do sindicato, diz que os inspetores são quase escravos e que estão fartos das promessas do Governo. A greve deverá afetar cerca de 30 mil pessoas. 

  • Graça Fonseca, a primeira governante a assumir-se homossexual
    1:02

    País

    A secretária de Estado da Modernização Administrativa deu uma entrevista ao Diário de Notícias onde assume a sua homossexualidade. É a primeira vez que um governante português o faz. Graça Fonseca assume esta posição pública como uma "afirmação política".