sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Hillary Clinton compromete-se a não enviar tropas para a Síria e Iraque

A aspirante a candidata democrata às presidenciais norte-americanas, Hillary Clinton, disse que o envio de tropas de combate para a Síria e Iraque para lutar contra o grupo extremista Estado Islâmico (Daesh) não será, para si, uma opção.

© Joshua Roberts / Reuters

"Bom, neste momento não consigo conceber qualquer circunstância em que concordaria fazê-lo porque acredito que a melhor maneira de derrotar o Estado Islâmico é, como já disse, a partir do ar, onde lideramos, no terreno, onde apoiamos, treinamos, equipamos, e no ciberespaço, onde, não nos esqueçamos, eles são poderosos adversários", afirmou na segunda-feira Clinton.

A democrata falou ao programa CBS This Morning, que divulgou alguns excertos da entrevista que será hoje transmitida na totalidade.

No mês passado, o Presidente Barack Obama autorizou o envio de mais de 50 forças de operações especiais para o norte da Síria, para funções de aconselhamento, para ajudar a coordenar grupos locais no terreno.

"Não sabemos ainda quantas forças especiais podem ser necessárias, quantos especialistas em treino, monitorização e apoio serão necessários, mas em termos de milhares de tropas de combate, como alguns republicanos recomendam, acho que isso não deve ser sequer abordado", disse Clinton.

"Concordo com o ponto de vista do Presidente de que não devemos voltar a colocar tropas de combate na Síria ou no Iraque. Não vamos fazer isso", concluiu.

Lusa

  • Brinquedos tecnológicos para oferecer no Natal
    5:33
  • Aniversário de Marcelo passado nas comemorações dos 700 anos da Marinha
    1:45

    País

    O Presidente da República defende que é preciso continuar a investir na Armada, nas pessoas, nas capacidades e no apoio de retaguarda. No dia em que fez 69 anos, Marcelo Rebelo de Sousa esteve nas comemorações dos 700 da Marinha, onde sublinhou os sete séculos de conquistas e de combates navais.

  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.