sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

EUA enviam cerca de 100 elementos das forças especiais para combater jihadistas no Iraque

Os Estados Unidos vão enviar cerca de 100 elementos das forças especiais para intensificar o combate contra o Daesh no Iraque e na fronteira com a Síria, disse hoje um porta-voz militar norte-americano.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Stringer . / Reuters

"Será provavelmente uma centena, talvez um pouco menos", afirmou o coronel Steve Warren, que falava em videoconferência a partir da capital iraquiana, Bagdade, sobre o destacamento deste contingente, anunciado na terça-feira pelo secretário da Defesa norte-americano, Ashton Carter.

Perante a comissão das Forças Armadas da Câmara dos Representantes (câmara baixa do Congresso dos Estados Unidos), Carter indicou que Washington ia destacar uma "força expedicionária especializada" para o Iraque para combater ao lado das forças iraquianas e curdas contra o Daesh.

"Com o tempo, estas forças especiais vão poder conduzir ataques, libertar reféns, reunir informações e capturar líderes" do grupo radical sunita, disse Ashton Carter, mencionando, na mesma altura, que essas forças terão a sua base no Iraque, mas que poderão lançar operações para lá da fronteira com a Síria.

Em reação a este anúncio, o primeiro-ministro do Iraque, Haider al-Abadi, disse hoje que o país não precisa de tropas estrangeiras no terreno para combater o Daesh.

"Não são necessárias forças de combate terrestres estrangeiras no território iraquiano", afirmou Al-Abadi numa declaração divulgada na terça-feira à noite e hoje citada pela agência France Presse.

"O Governo iraquiano sublinha que qualquer operação militar ou presença de força estrangeira, especial ou não, em qualquer ponto do Iraque, só pode ser concretizada com a sua aprovação e coordenação", acrescentou.

"Temos falado com o primeiro-ministro [iraquiano] sobre isto há semanas", afirmou o coronel Steve Warren, a partir de Bagdade.

O Pentágono (Departamento de Defesa) insiste que esta missão não contradiz a promessa da Casa Branca de evitar o envio de tropas terrestres norte-americanas para o terreno.

"Isto não será um combate terrestre com blindados e artilharia, e operações armadas planeadas, e morte e destruição em todas as direções", garantiu o porta-voz militar.

"São um pequeno número de comandos altamente qualificados, a conduzir operações muito limitadas, muito precisas (...) ai reside a diferença", acrescentou.

Os Estados Unidos têm atualmente cerca de 3.500 militares no Iraque, mas a sua missão é "treinar e aconselhar" as forças locais.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.